Como funcionam os Clubes de Investimentos

Clubes de Investimentos
Um clube de investimentos é formado por um grupo de pessoas físicas (ex: familiares, amigos, etc) interessadas em investir. Ele ajuda o acesso de pequenos investidores ao mercado de capitais.

Criando um Clube de Investimento: É necessário um administrador (corretora, distribuidora de títulos ou banco múltiplo com carteira de investimento), que cuidará dos documentos e dos registros legais e dará suporte para bom funcionamento do clube. O grupo deve ter no mínimo 3 e no máximo 50 pessoas e um único cotista pode ter no máximo 40% das cotas.

Estatuto do Clube: Nele estão todas as normas¹ a serem seguidas para o funcionamento do Clube. Os cotistas podem opinar, através de uma assembleia, sobre quaisquer alterações no estatuto social.

¹ Quantia inicial de investimento e do aporte mensal, % alocado em ações, tipos e modalidade de operações permitidas, taxa de administração, taxa cobrada de cada participante para cobrir as despesas do Clube. Definição das duas últimas depende do tamanho do clube, as tarefas do administrador e as despesas gerais geradas pelo Clube.

Composição da carteira: Pelo menos 67% dos recursos($) do Clube devem ser aplicados no mercado de ações. O restante pode ser investido em outros ativos (ex: títulos de renda fixa).

Gestão da carteira: é feita pelo(s) membro(s) mais experiente(s) do grupo, ou é contratado um profissional de mercado autorizado pela CVM para isso. Definido em assembleia geral.

Vantagens de investir em Clubes de Investimentos:
  • GESTÃO DO CAPITAL: Pode ser interessante para quem não possui conhecimento e confiança necessários para aplicar no mercado financeiro e para pequenos investidores, que já operam por conta própria, mas preferem que um profissional do mercado gerencie seu capital;
  • HÁBITO DE POUPAR: Cria-se o hábito de poupar mensalmente;
  • DIVERSIFICAÇÃO: Volume maior de recursos, gerado pela junção de recursos de cada cotista do clube, facilita o investimento em ações de diferentes empresas e setores da economia (pode gerar maior rentabilidade);
  • CUSTOS DE TRANSAÇÃO: Custos de transação (corretagem fixa, por exemplo) menores por serem divididos com outros investidores. Taxas da bolsa mais baratas.
  • TRIBUTAÇÃO: O Imposto (15%) incide apenas sobre o ganho (se houver) da aplicação e é cobrado na fonte no momento do resgate das cotas. Difere de quando se investe individualmente na Bolsa, que paga-se imposto na fonte sobre daytrade e vendas e também DARF mensalmente sobre os ganhos.
Riscos: Um Clube de Investimento envolve riscos como qualquer investimento. O desempenho das cotas pode variar conforme o comportamento do mercado de ações.

Atualmente, os Clubes de Investimento são regulados pela Instrução CVM nº 494/2011.
Nenhum comentário:
Postar um comentário