Introdução ao Mercado de Opções

Mercado de Opções
Antes de iniciar a leitura do artigo, é importante que o investidor entenda que o mercado de opções está “ligado” a outro mercado. Por exemplo, não adianta o investidor se aventurar com opções sobre ações, se não tiver obtendo sucesso no mercado de ações.

Uma opção é o direito, negociado em bolsa, de comprar ou vender um determinado ativo (ativo-objeto) por um preço (preço de exercício) e prazo (vencimento) previamente fixado. Esse direito é adquirido com o pagamento de um valor chamado prêmio (preço da opção).

Nesta operação, há um vendedor (lançador da opção) e um comprador (titular da opção). O lançador recebe o valor do prêmio e assume a obrigação de vender ou comprar a ação-objeto referente à opção se o comprador exercer o direito. Vale lembrar que tanto o lançador como o titular podem sair do mercado, para isso precisam fazer uma operação contrária à inicial. Um lote de opções dá direito à compra (se for uma Call) ou venda (se for uma Put) de um lote de determinada ação.

Opções de Compra (Call): Usada quando se espera que uma determinada ação vá subir. Dá ao comprador o direito de comprar um lote determinado, do lançador, de ações ao preço de exercício, na data ou a qualquer momento até a data de vencimento da opção, conforme o estilo da opção.

Opções de Venda (Put): Usada quando é esperado que determinada ação vá cair. Dá ao comprador o direito de vender um lote determinado de ações ao lançador ao preço de exercício na data ou até a data de vencimento da opção, conforme o estilo da opção.

* Opções estilo americano permitem que o exercício seja feito durante o período até a data de vencimento da opção. Já o estilo europeu, permite que o exercício seja feito apenas na data de vencimento da opção.

Estratégias: É possível criar estratégias desde conservadoras até de alto risco com opções. Pode-se usar, por exemplo, para proteção ao mercado de ações contra possíveis perdas (operações de "hedge"); Nesse caso um investidor pode comprar opções, de uma ação que ele possui em carteira, que permitam que ele venda essas ações por um determinado preço. Desse modo, ele evita grandes perdas caso a ação vá abaixo desse preço. Ou se esse investidor preferisse, poderia lançar opções visando tentar uma remuneração adicional na carteira (falarei sobre isso em outro artigo futuramente).

Outra opção, de alto risco, é especular com opções buscando simplesmente ganhar vendendo elas por um valor maior que o adquirido. Isso é operar opções a seco. Há alguns fatores que influem na variação da Opção como veremos adiante.

Pode-se ainda comprar opções para garantir a compra futura de uma ação a um determinado preço. Isso pode ser interessante para quem não tem recursos suficientes para comprar a ação no momento. O exercício da opção vale a pena se a ação tiver cotada a um preço superior a soma do preço de exercício com o valor do prêmio pago pela opção.

O que influi na variação da Opção? Os principais fatores são o preço do ativo-objeto, o preço de exercício da opção e o tempo que resta até a data de exercício. Por exemplo, quanto mais longe tiver do preço de exercício e ao mesmo tempo mais perto tiver da data de exercício, a opção tende a se desvalorizar. Há também fatores externos (taxas de juros, dividendos, etc). De qualquer modo, o importante é entender que o preço da ação irá interferir de forma definitiva no preço da opção.

Rentabilidade: Para calcular a rentabilidade, o investidor deve considerar o preço de exercício, o prêmio e o preço da operação, no mercado à vista, que “fecha” o negócio junto com o preço de exercício. Se for uma operação a seco com opções, a rentabilidade será a diferença entre a compra e a venda e se não houver encerramento ou exercício da opção, o valor do prêmio será o lucro do lançador e o prejuízo do titular.

Clique aqui e veja a denominação e as datas de Vencimento das Opções sobre Ações na Bovespa.
Nenhum comentário:
Postar um comentário