Saiba analisar a dívida das empresas

É normal que empresas maiores possuam dívidas maiores. Por isso, analisar apenas o valor da dívida não levará o investidor a lugar nenhum. Comece verificando quanto do patrimônio líquido da empresa que está comprometido com dívidas.

Dívida Bruta / Patrimônio Líquido

Há quem considere 0,5 como um “limite máximo” de alavancagem, um número de alerta. Mas, é algo que necessita de uma avaliação de setor para setor, pois as características de cada um podem determinar limites de alavancagem da dívida mais altos ou baixos que 0,5.

Dívidas geram juros... É necessário verificar se a empresa conseguirá pagar essa despesa com facilidade, pois isso pode afetar fortemente o crescimento da mesma. Aplicando a fórmula:

Resultado Operacional (EBIT) / Despesa de juros

O ideal é que o resultado do cálculo seja acima de 5, ou seja que essa despesa com juros não ultrapassem 1/5 do resultado operacional da empresa.

Com sua média de lucro a empresa consegue quitar sua dívida em quantos anos? Ideal é que seja abaixo de 2. Aplique a fórmula:

Dívida Líquida / Lucro Líquido

Abaixo outros indicadores fundamentalistas que podem ajudar na análise da dívida da empresa...

Índices de Liquidez (solvência)

buscam mostrar a capacidade de a empresa honrar seus compromissos.

- Capital de Giro = Ativo Circulante – Passivo Circulante: Mostra quanto sobra de ativos líquidos para a empresa se ela pagar todos os credores de curto prazo.

- Liquidez Corrente = Ativo Circulante / Passivo Circulante: Indica quantas vezes os ativos mais líquidos (Ativo Circulante) superam as obrigações de curto prazo (Passivo Circulante). Ou seja, mostra a capacidade da empresa cumprir seus pagamentos de Curto Prazo. Recomenda-se que esse índice seja superior a 1, em outras palavras, que o Ativo Circulante supere o Passivo Circulante.

- Liquidez Seca = (Ativo Circulante – estoques) / Passivo Circulante: Cálculo parecido com o de liquidez corrente, porém inclui uma “dose de cautela” já que não leva em conta os estoques da empresa. Isso porque os estoques podem não ter a liquidez necessária (por uma dificuldade de venda dos mesmos) para serem usados para quitar obrigações de curto prazo. Ideal que o índice seja maior que 1.

- Liquidez Imediata = Disponível / Passivo Circulante: Índice que leva em conta apenas caixa, saldos bancários e aplicações financeiras, ou seja, o que a empresa pode liquidar de imediato e usar para quitar as obrigações. É muito importante para analisar a situação de curto prazo da empresa. Ideal que o índice seja maior que 1.

- Liquidez Geral = (Ativo Circulante + Ativo Realizável a Longo Prazo) / (Passivo Circulante + Passivo Não Circulante): Índice que relaciona os bens e direitos da empresa com sua dívida de longo prazo, isso é, se difere dos índices acima por incluir no cálculo os direitos e obrigações a longo prazo. Ideal que o índice seja maior que 1.

Índices de endividamento

buscam a relação entre o capital próprio da empresa e o capital de terceiros (empréstimos).

- Grau de endividamento = (Passivo Exigível Total / Ativo Total) x 100: Índice percentual que mostra a proporção do Ativo Total da empresa que está sendo financiada com recursos de terceiros. Quanto menor, melhor.

- Participação de capital de terceiros = (Passivo Exigível Total / Patrimônio Líquido) x 100: Índice percentual que mostra a dependência em relação a capital de terceiros para a empresa manter as atividades do negócio. Quanto menor, melhor.

- Composição do endividamento = (Passivo Circulante / Passivo Exigível Total) x 100: Índice percentual que mostra quanto do endividamento total é de curto prazo. Quanto menor melhor, pois vai gerar mais facilidade para a empresa honrar os compromissos de curto prazo.
Um comentário:
  1. Parabéns pelo artigo, me ajudou muito. Obrigado por compartilhar conhecimento.

    ResponderExcluir