Como calcular o IR de Ações e Opções

No final de cada mês na bolsa de valores é necessário fazer a apuração do imposto de renda, algo que muitos investidores esquecem ou até mesmo nem sabem que precisam fazer. Para iniciar, é necessário ter em mãos o lucro (já descontadas todas as taxas que constituíram as transações de compra e venda do negócio) de todos os negócios que foram finalizados no mês de apuração.

As taxas que constituem as transações de compra e venda de um negócio são: corretagem, ISS, emolumentos, taxa de liquidação e taxa de registro (no caso de opções). Todas essas taxas estão discriminadas nas notas de corretagem, geralmente disponibilizadas no próprio site da corretora. No caso de venda a descoberto, o custo com o aluguel de ações também pode ser usado para reduzir o lucro, e consequentemente reduzir o valor a pagar de IR.

Resumidamente o cálculo de lucro ou prejuízo das operações fica: 
(preço médio compra – preço venda) * quantidade – taxas operacionais

Tendo em mãos os resultados dos negócios, o investidor deve separá-los em dois tipos: operações normais (compra e venda em dias diferentes) e operações day trade (compra e venda no mesmo dia). E assim obter para cada uma dessas modalidades qual foi o resultado geral das operações realizadas no mês.

Apuração de lucro ou prejuízo no Mercado de Opções

Se não houver encerramento do negócio ou exercício das opções (ou seja, as opções virarem pó) o valor do prêmio será o ganho do lançador (vendedor) e prejuízo para o titular (comprador), na data do vencimento da opção.

Se houver compra e venda das opções, o cálculo do lucro ou prejuízo fica idêntico ao de uma operação com ações, ou seja (preço compra – preço venda) * quantidade – taxas operacionais. Será considerada uma operação normal se a compra e venda ocorrem em dias diferentes e uma operação day trade se a compra e venda ocorrem no mesmo dia.

Caso ocorra exercício de opções o cálculo muda:

1 - Titular da Opção de Venda: O ganho líquido é a diferença positiva entre o preço de exercício do ativo e o seu custo de aquisição, que é o custo de aquisição do ativo + o valor do prêmio pago.

2 - Lançador da Opção de Venda: O ganho líquido é a diferença positiva entre o preço de venda à vista do ativo, na data do exercício, e o seu custo de aquisição (preço de exercício menos o valor do prêmio recebido).

Caso a venda do ativo ocorra depois da data do exercício, o ganho líquido é a diferença positiva entre o valor recebido pela venda do ativo e o custo médio de aquisição, apurado conforme estabelecido para o mercado à vista.

3 - Titular da Opção de Compra:
O ganho líquido é a diferença positiva entre o valor de venda à vista do ativo, na data do exercício, e o seu custo de aquisição (preço de exercício + valor do prêmio pago).

Caso a venda do ativo ocorra depois da data do exercício, o ganho líquido será a diferença positiva entre o valor recebido pela venda do ativo e o custo médio de aquisição, apurado conforme estabelecido para o mercado à vista.

4 - Lançador da Opção de Compra: O ganho líquido é a diferença positiva entre o preço de exercício do ativo, acrescido do valor do prêmio recebido, e o seu custo de aquisição.

Vale lembrar que o exercício da opção e a venda ou compra do ativo no mercado à vista no mesmo dia NÃO se caracteriza como day-trade.

Taxa do Imposto: 15% para operações normais e 20% para operações day trade. O investidor precisa estar antenado ao fato de só poder compensar prejuízos entre operações de mesma espécie (normal com normal e day trade com day trade). Ou seja, é permitido compensar prejuízos entre operações normais de ações e operações normais de opções. E também entre operações day trade de ações e operações day trade de opções.

Isenção para pessoa física: Para operações normais com ações (apenas ações!) existe isenção de I.R caso o investidor tenha vendido até R$ 20 mil em ações no mês. Apesar de isenção valer apenas para as operações normais, é necessário somar também as vendas day trade com ações. Ou seja, a isenção é válida quando a soma das vendas de normal e day trade (de ações) for menor ou igual a R$ 20 mil. Para operações normais com opções e operações day trade não há nenhum tipo de vantagem tributária.

DARF: O imposto deve ser pago até o último dia útil do mês subsequente ao mês da apuração. O recolhimento deve ser feito através de DARF código 6015 (o mesmo código é utilizado para todos os tipos de operações). O investidor pode usar o imposto retido na fonte para abater o valor a ser pago. Por exemplo:

Como calcular o I.R em operações com Ações e Opções

* O Imposto Retido na Fonte (IRRF), discriminado nas notas de corretagens, só pode ser usado para abater os pagamentos até o fim do ano em que foi gerado.

* O atraso no pagamento da DARF gera multa de 0,33% ao dia (limitada a 20%) e juros de mora (baseado na Taxa Selic do período). O investidor que precisar gerar uma DARF com o valor reajustado pode utilizar o programa Sicalc, disponível para download no site da Receita Federal.

Ordem dos abatimentos: Os prejuízos devem ser usados para abater lucros ocorridos no mesmo mês de apuração ou em operações de meses subsequentes do mesmo tipo de operação (normal ou day trade). Caso tenha imposto a pagar pendente de algum mês, não poderá usar um prejuízo futuro para compensá-lo.

Mais...

- Aqui no blog temos um modelo de planilha para cálculo de I.R. para ações, opções e day trade em mini-índice e mini-dólar CONFIRA

Comentários

  1. Boa tarde Fabio! Tive opções que comprei em dezembro/2016 e vendi em janeiro/2017 com prejuízo. Na declaração de 2017 eu informei na aba Bens e Direitos (coluna 2016) e em Dívidas e Ônus Reais (coluna Situação em 2016). Estou em dúvida se fiz corretamente.
    Como devo declarar a venda em 2017?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite!

      Se você vira o ano com posição comprada em opções você deve colocar essas na ficha "Bens e Direitos - código 47". E se vira o ano com posição vendida em opções (lançamento de opções) você coloca na ficha "Dívidas e Ônus Reais - código 16".

      No seu caso, como você terminou o ano de 2016 com opções compradas, estas entrariam na ficha "Bens e Direitos" da tua declaração ano-calendário 2016 (colocando o custo de aquisição na "situação em 2016") .

      E agora na declaração ano-calendário 2017, ano que ocorreu a venda, zera a "situação em 2017" em Bens e Direitos e o resultado (que no seu caso foi prejuízo) da operação você colocaria na ficha de "Renda Variável > Operações Comuns / Day-Trade > Mercado opções - ações".

      Abs

      Excluir
    2. TB, muito obrigado pelas informações. Pra uma pessoa que está ajudando tanta gente eu oro e torço pelo seu sucesso. Parabéns!!

      Excluir
  2. Tenho uma pergunta, lancei uma call hoje, por si só isso já me gera um ganho, porém só saberei se terei prejuízo ou lucro no vencimento desta ou caso eu a recompre. Nesse caso como funciona a apuração do IR? Devo pagar uma guia mês que vem e outra no vencimento da call caso tenha lucro?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá! Você apenas terá que pagar uma DARF para esta operação.

      SITUAÇÃO 1) Se você encerrar a operação através da recompra da opção, terá que pagar IR até o último dia útil do mês subsequente ao mês que encerrou a operação.

      SITUAÇÃO 2) Aguardar a data do vencimento dessa opção Call. Nesse caso o fato gerador de IR irá ocorrer na data de vencimento, portanto o IR de 15% deverá ser pago até o último dia útil do mês subsequente ao mês do vencimento da opção.

      Vale lembrar que aguardando a data de vencimento, podem ocorrer duas situações, ser exercido ou não ser exercido. Aí o cálculo do lucro fica assim...

      - Ser exercido: Teu lucro será a diferença positiva entre o preço de exercício da opção, acrescido do valor do prêmio, e o custo de aquisição do ativo objeto do exercício. (pode abater as taxas envolvidas na negociação)

      - Não ser exercido: Teu lucro será o valor do prêmio recebido. (pode abater as taxas envolvidas na negociação)

      Abs

      Excluir
  3. nesse mes vendi, 19.6k em açoes (com lucro) e 2k em opçoes (com prejuizo). Tenho que recolher o IR? Ambos foram swing trade.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Ernani! A venda de 2k no mercado de opções não deve ser considerada no limite de 20k de vendas no mercado à vista. Portanto não precisa recolher IR (ficou isento em operações normais com ações e teve prejuízo com opções). Abs

      Excluir
  4. Bom dia Fabio, se for possível me esclarecer uma dúvida de IR sobre operações com opções eu agradeço.
    Fiz uma operação de lançamento coberto onde comprei a ação e vendi a opção.
    Qdo sou exercido no mês do vencimento da opção , faço o cálculo do lucro ou prejuizo da operação e pago a DARF no mês seguinte( se lucro).
    Agora qdo não sou exercido como devo proceder para pgto do IR ,sendo que vendi as ações só após 2 meses.:
    1) devo calcular um Darf sobre o venda das opções e depois sobre a venda das ações.(se lucro).
    ou
    2) posso calcular um Darf no mês da venda das ações , mas considerando o custo de aquisição das ações = o preço de compra - prêmio de venda da opção.

    Na minha opinião seria a segunda opção para a emissão da DARF , pois foi uma operação coberta ( compra ação – prêmio de venda da call) não exercida e não só um lançamento descoberto não exercido e assim geraria lucro da venda (prêmio.)
    Não sei se fui claro.
    Obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Mark! O correto neste caso (lançamento coberto e não houve exercício) é a opção 1. Deves pagar IR sobre lucro das opções (que vai ser em cima do valor do prêmio recebido menos taxas). O fato gerador será a data de vencimento da série, portanto pagamento deve ser feito até último dia útil do mês seguinte.

      E depois sobre a venda das ações (se resultado for lucro).

      Abçs

      Excluir
  5. obrigado por disponibilizar a planilha. Foi muito útil e me poupou bastante tempo e serviço.

    ResponderExcluir
  6. TB, muito obrigado por disponibilizar sua planilha. É uma ótima planilha. Estou indicando seu site em todos meus grupos.
    Tenho uma dúvida: Matenho uma longa posição comprada de uma certa ação. Foi oferecido pela minha corretora uma "operação travada" com opções. Entrei vendido nas opções de compra e entrei comprado nas opções de venda.
    Como faço para calcular o lucro nesta operação? "Realizei parte das opções de compra e venda, e creio ter tido um prejuízo enorme, mas não faço idéia de como quantifica-lo.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite amigo! Obrigado por indicar o site! Sobre sua dúvida, essa "trava de opções" na verdade é só nome da estratégia. "Esqueça isso" e pense que você tinha duas operações abertas em OPÇÕES, uma comprada e outra vendida. Veja este exemplo... imagine que você está com essas duas operações abertas:

      1) Posição comprada de X opções ABCDU18 a R$ 1,00
      2) Posição vendida de X opções ABCDI18 R$ 1,00

      Posteriormente encerra parcialmente estas operações:
      1) Vende Y opções de ABCDU18 a 0,90;
      2) Recompra Y opções de ABCDI18 a R$ 1,10.

      Na planilha do mês que você realizou esta "venda parcial" terá duas operações normais finalizadas:
      1) Tipo: OPCAO, ABCDU18, Quantidade Y, Preço de compra R$ 1,00 e preço de venda R$ 0,90
      2) Tipo: OPCAO, ABCDI18, Quantidade Y, Preço de compra R$ 1,10 e preço de venda R$ 1,00

      E continuará com duas posições abertas tanto em ABCDU18 (comprado a R$ 1,00) como ABCDI18 (vendido a R$ 1,00). Mas agora com quantidade equivalente a "X - Y"...

      Verifica se a dúvida foi esclarecida.
      Abraços

      Excluir
  7. Boa noite, tudo bem, fiz algumas compras e vendas de opções, exemplo comprei a opção xx21 a 1,59 e vendi depois de 10 dias ainda dentro do mesmo mes por 3,00 como devo declarar na planilha, como calculo o imposto a pagar, obrigada

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Kelly! Utilize uma linha da planilha para informar esta operação. Coloque OPCAO na coluna Tipo. Insira o código da opção, quantidade negociada, informe em "Preço Compra" R$ 1,59 e em "Preço Venda" R$ 3,00. Coloque os gastos com corretagem nas colunas específicas para isso. Após preencher isso vá até a aba "Resumo Imposto". Lá você ainda poderá preencher se tinha prejuízos acumulados de meses anteriores, etc. E terá o resultado de IR a pagar.

      Excluir
  8. Oi bom dia ! Adorei o trabalho, muito útil, obrigada por compartilhar

    Preciso de uma ajuda, se não for incomodar.

    Comecei a operar na bolsa no mês passado e ainda estou aprendendo. só opero com opções.

    no mês de maio só tive prejuízo, mas uma opção comprada em maio e vendida em junho teve lucro.

    como eu faço esse lançamento de meses diferentes na planilha?
    e mesmo tendo lucro nesta operação eu ainda estou com prejuízo no total.

    exemplo:

    maio: junho:
    total inv 1000 +500
    preju 700 lucro na operação 50 no mes preju 800

    ainda teria prejuízo, posso lançar no mês de julho?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Marcela, deves usar uma planilha para cada mês. Veja que a planilha tem as seguintes abas:

      Operações Normais: aqui você coloca as operações normais que foram FINALIZADAS no mês. Lembrando que operações normais são aquelas que a compra e a venda foram feitas em dias diferentes.

      Operações Day Trade: Coloque as operações day trade (compra e venda no mesmo dia) realizadas no mês.

      Resumo Imposto: aqui você vai poder indicar os prejuízos acumulados de meses anteriores (se houver). Deve indicar prejuízos acumulados de operações normais e de operações day trade, nos campos específicos (ler instruções da planilha para correto preenchimento).

      Se teve prejuízo em maio, depois teve lucro em junho mas ainda ficou com prejuízo acumulado: você vai poder ir utilizando esse saldo de prejuízo para abater dos lucros futuros. Enfim, você vai usando o prejuízo até recuperá-lo por completo.

      Posições Abertas: Coloque as operações que ainda não foram encerradas. Futuramente, QUANDO VOCÊ ENCERRAR A POSIÇÃO, você deve transportar manualmente para "Operações Normais", incluindo também os dados da compra ou venda que encerrou a operação.

      Abs

      Excluir
  9. Bom dia,
    Fiz vendas de AÇÕES no total de R$ 19.500,00 esse mês de outubro e portanto estão isentas.
    Se eu comprar OPÇÕES para especular, sem exercer o direito, e vender ainda em outubro esse valor será somado aos da venda das AÇÕES e perderia minha isenção ou operações com ações não se misturam com operações de opções?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá! Você não perderá o direito da isenção sobre operações comuns com ações. Vendas de opções não entram no cálculo desse limite de R$ 20 mil em vendas. Abçs

      Excluir
  10. Bom dia,

    Sou nova o mercado de opções e fiz minha primeira venda dia 11/10/2018, comprei Petrk27 dia 05/10 a 1,38 e vendi a 2,00 no dia 11/10/2018, quando e qual será o valor para calculo do IR?

    Seria a diferença da compra e da venda, menos a taxa de corretagem?

    Ainda possuo outras opções dentro da corretora comprada dentro do mês de outubro, o IR pode ser único ou é para cada movimentação?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, sobre a primeira dúvida, o IR será calculado sobre a diferença entre compra e venda menos as taxas operacionais (corretagem e taxas bovespa). No teu caso seria (R$ 0,62 x quantidade operada) - taxas.

      O IR não é único para cada operação. Deves considerar a soma dos lucros e prejuízos de todas as operações finalizadas dentro do mês, separando operações comuns de operações day trade. Portanto se há outras operações encerradas no mês (inclusive de ações), apure antes o resultado geral para ver se há imposto a pagar.

      Excluir
    2. Obrigada pelo pronto retorno,

      Poderia me tirar mais uma duvida?
      No próximo ano para da declaração do IR2019, irei declarar a soma total dos ganhos e a soma total das darf quitadas?

      Excluir
    3. Na declaração você irá colocar os resultados na ficha de Renda Variável. A declaração é mês a mês e conforme cada tipo de mercado (ações, opções e etc) e diferenciando se é comum ou day trade. A DARF você vai declarar mês a mês, porém só o valor geral pago. Você vai ver que no programa do IRPF existem fichas específicas para colocar os dados de cada mês.

      Excluir
  11. Boa tarde,
    Comprei opções em 14/09/18 no valor de R$ 3.597,65.
    Vendi essas opções em 3 datas diferentes (todas em outubro/2018).
    Já entendi que pagarei a DARF até o final do mês de novembro/2018, no entanto estou na dúvida quanto ao valor: devo descontar o valor investido para compra no dia 14/09/18 (R$3.597,65) do lucro total apurado em outubro para chegar ao lucro líquido de toda a operação e emitir a guia referente a 15% do valor ??
    O fato da compra ter sido em setembro e a venda em outubro altera alguma coisa ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Almir, imagine que comprou 3 mil opções a 1,1992... Gerando total R$ 3.597,65... Vendeu em três partes a uma média igual a 1,30 gerando total R$ 3.900,00. Então o IR a ser pago será (R$ 3.900,00 - R$ 3.597,65 - taxas operacionais) x 15%. Você ter comprado em setembro e vendido em outubro não muda nada. Vale lembrar que para calcular o IR precisa levar em conta somatório de resultados de todas as operações finalizadas no mês, separando por Operação DT e Operação Comum. Abraços

      Excluir
  12. Bom dia,

    Estou com duvida na questão da tributação de opções.

    Comprei opções(operações normais - não day trade) em 2017 onde tive prejuízos, posteriormente em outras operações tive lucro no ano de 2018

    1-Se eu tive prejuízo o suficiente para cobrir o lucro obtido no ano posterior (declarei o prejuízo a compensar na declaração referente a 2017) não preciso pagar IR correto?

    2-Posso utilizar prejuízos somente de opções com opções?

    3-Pagar IR somente quando o lucro ultrapassar esse prejuizo?

    OBS:No lucro a compensar da IR 2017 considerei apenas prejuízos com opções

    Obrigado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá, seguem respostas abaixo:

      1) Correto, não precisa pagar IR. Você precisa sempre ter uma “visão mensal” dos teus resultados. No mês em que o lucro ultrapassar o prejuízo acumulado em meses anteriores, você precisará pagar IR (até último dia útil do mês subsequente ao da apuração).

      2) Operações normais abatem operações normais, independente se é ação, opção, mini índice ou mini dólar... por exemplo, pode utilizar esse prejuízo de opções para abater um lucro de operações normais com ações.

      3) Exatamente, como falei no item 1, pagará IR no mês em que o lucro ultrapassar o prejuízo acumulado em meses anteriores.

      Abs

      Excluir
    2. Só uma ultima duvida

      Trabalho dentro da isenção de R$20,000 em ações (tenho consciência de que só vale para movimentação de ações)

      Mas se tive prejuizo e lucros com ações (mas sempre movimentando abaixo dos R$20,000 mensais)

      Posso utilizar esses prejuízos em ações para abater nos lucros em opções?
      (mesmo que não tenha pago IR nas ações por causa da isenção)
      OBS: no balanço geral tive lucro com as ações, só não fui obrigado a pagar por causa da isenção

      Excluir
    3. Claro, todo prejuízo que você teve em ações, mesmo que tenha vendido menos de R$ 20 mil no mês, pode ser usado também para abater lucros futuros. No caso, pode utilizar sim para abater lucro em operações normais com opções.

      Excluir
  13. Boa noite,

    Pra quem investe pensando no longo prazo (não faz day trade com ações) trabalhando dentro da isenção no caso quem movimenta menos de R$20,000.00 mensais em operações normais.

    A minha duvida seria a seguinte - se eu por acaso começar a operar dólar cheio na modalidade day trade, mesmo sendo um derivativo perco o beneficio da isenção de R$20.000,00 nas ações que possuo de longo prazo?

    Obrigado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá! Pode ficar tranquilo, você não perderá o benefício da isenção de R$ 20 mil para ações. Abs

      Excluir
  14. Fábio, boa tarde.


    Adquiri agora sua planilha e estou com uma dúvida. Comprei algumas Opções Put em Out/18 e essas "viraram pó", mas outras que também comprei em Out/18 e vendi no mesmo mês (não foram no mesmo dia) me geraram lucro ((preço compra - preço de venda) * quantidade - taxas operacionais).


    A pergunta é: Essas que viraram pó entram para a apuração do IR agora em Nov/18? Elas abatem (como compra) das que vendi ou apenas informo na DIRPF?


    Obrigado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Elton,

      Todas essas operações, inclusive as que viraram pó, devem ser colocadas na planilha. Abaixo explico como registrar na planilha as opções que viraram pó:

      As opções que tu comprou e viraram pó venceram agora no mês de novembro? Se sim, elas entram na planilha de novembro, em uma linha da aba de operações normais, com dados da compra + dados de venda, sendo que na venda o preço e corretagem são iguais a zero. Considerar a data de venda igual a de vencimento da opção. Ou seja, o prejuízo que isso te gerou (que em outras palavras foi o prêmio pago pela opção + taxas) vai abater do lucro de operações normais do mês de novembro.

      Obs: se elas venceram (viraram pó) no mês de outubro, o procedimento é o mesmo que falei acima mas elas entram na planilha de apuração do mês de outubro. Nesse caso já estaria abatendo do lucro de operações normais do mês de outubro.

      Enfim, quando uma opção que você comprou vira pó, significa que você vendeu a opção a zero na data de vencimento, sem taxas.

      Se fosse um lançamento de opções e elas virassem pó, você teria um lucro equivalente ao prêmio recebido pelas opções menos as taxas da compra (aí na planilha você teria o preço de compra e corretagem de compra igual a zero).

      Enfim, este sempre será o procedimento para opções que viraram pó. Sendo que, por terem sido “carregadas até o fim”, o resultado será contabilizado na planilha referente ao mês de vencimento.

      Verifica se esclareceu tua dúvida. Abs

      Excluir
  15. Boa noite,

    Tive o direto de subscrições de ações XXX001 que valiam 0,01.
    Recebi 413 e comprei mais 1000 unidades pelo mesmo valor.
    Somente consegui vender no fracionario 13 ações, como deve preencher minha DARF, se eu entendi bem é caracterizado Swing Trader e eu não vou subscrever estas 1400 o valor não irá compensar.

    Obrigado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Investidor Ninja! Pelo o que entendi você chegou a ter 1413 unidades e posteriormente vendeu apenas 13, correto? Fiz o passo a passo abaixo para explicar:

      1) calcule o preço médio de compra dos 1413 direitos. Para ter essa quantidade você gastou R$ 10,00 + taxas (esse custo é referente à compra dos 1000 direitos. Os outros 413 tiveram custo de compra igual a zero). Agora divida esse valor pelos 1413 direitos de subscrição.

      2) Veja o preço médio de venda das 13 unidades. (13 x preço venda + taxas) / 13.

      3) Agora com o preço médio de compra e venda em mãos, calcule o resultado dessa operação com as 13 unidades. (preço médio venda - preço médio compra) x 13

      Este negócio é considerado Operação Comum (IR 15%) e não se beneficia daquela isenção de IR de ações para venda mensal menor que 20 mil.

      4) Ainda te sobraram 1400 unidades não vendidas, que equivale a ter vendido a zero na data final de negociação dos direitos. Calcule esse prejuízo: preço médio compra x 1400. Valor do prejuízo poderá abater dentro do próprio mês ou meses subsequentes.

      Abraços

      Excluir
  16. Prezado, boa noite. Numa operação de Financiamento com Opções (Compra de x ações e venda de x Opções tipo call), quando não se é exercido, o investidor paga o IR de day-trade sobre o prêmio da venda umas vez que essa bonificação foi garantida em um único dia de operação ? Ou ou a alíquota é de 15% mesmo ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite! Considera uma operação comum e paga 15% sobre o prêmio recebido pelo lançamento da opção. Equivale a ter recomprado a opção a zero na data de vencimento.

      Excluir
    2. Obrigado pela informação, prezado. A minha segundo dúvida seria em quem abra eu declaro o lançamento das OPÇÕES na declaração de imposto de renda e se devo declarar as operações exercidas mesmo sendo abaixo dos 20k. Desde já, te agradeço.

      Excluir
    3. Boa tarde. Os resultados mensais obtidos nesse mercado devem ser colocados na ficha de "Renda Variável" - "Operações Comuns / Day-Trade" - "Mercado Opções - ações". Operações com opções não possuem nenhum tipo de isenção (a isenção de operações normais, em caso de venda mensal de ações abaixo de R$ 20 mil, não vale para opções). Por se tratar de uma venda através do exercício de opções, o lucro com a ação também será considerado "Mercado de Opções" e passa a não ter o benefício da isenção. Se você virou o ano com alguma opção vendida, coloque em "Dívidas e Ônus Reais" - "Código 16 - Outras dívidas e ônus reais". Já opções compradas você coloca em "Bens e Direitos" - "Código 47 – Mercados futuros, de opções e a termo".

      Excluir
    4. Então quer dizer que o exercimento das minhas ações na data de vencimento serão tributadas mesmo o montante estando abaixo de 20k ?

      Excluir
    5. Exatamente isso. Por se tratar de uma venda através de exercício de opções você não terá isenção.

      Excluir
    6. Muito Obrigado, Trader Bolsa!

      Excluir
  17. Ola Trader Bolsa. Gostaria de checar um calculo de imposto de renda de uma estrategia de opcoes:
    Comprei 100 PCAR4 em 2006 pagando R$40 cada acao. No dia 15/01/2019 estruturei uma operacao com PCAR4 (preco a R$91 no momento da estruturacao), vendendo opcoes de compra com strike a R$90 e vencimento em 18/02/2019. O preco de venda foi de R$4.
    Fui exercido antecipadamente quando o preco da acao estava a R$96. Como fica o calculo do imposto? Tenho quatro possiveis calculos, qual esta correto e porque os outros estao incorretos?

    Calculo 1: (PV-PC+Premio)x15% x 100 = (90 - 40 + 4 ) x 15 = R$810. Isso gera um imposto total que nao leva em conta que a estruturacao foi feita somente no ultimo mes e elimina o cap de R$20mil mensal para alienacao de acoes.

    Calculo 2: (90 - 91 + 4 ) x 15 = R$45 para as opcoes. Isso baseado no preco na hora da estruturacao. (91 - 40) x 15 = R$765 para a valorizacao das acoes se houver venda acima de R$20mil mensais.

    Calculo 3: (90 - 90 + 4) x 15 = R$60 para a opcoes conforme strike. (90 - 40) x 15 = R$750 para a valorizacao das acoes se houver venda acima de R$20mil mensais.

    Calculo 4: (90 - 96 + 4 ) x 15 = credito de R$30 para opcoes conforme preco no dia do exercicio. Esse seria o valor caso tivesse tempo habil de comprar mais 100 acoes. (96 - 40) x 15 = R$840 para a valorizacao das acoes se houver venda acima de R$20mil mensais.

    Muito Obrigado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Bueno, o cálculo número 1 é o correto. Como a venda ocorreu pelo exercício de opções, não há isenção de IR sobre a parte da ação e obrigatoriamente pagará sobre todo o lucro da operação. Ou seja R$ 810,00 de imposto a pagar.

      A IN 1585 Art. 59. § 2º inciso IV, diz que a isenção não se aplica à alienação de ações efetivada em operações de exercício de opções.

      E o Art 60, inciso II, letra b diz que o lucro da operação deve ser calculado assim:

      b) no caso do lançador (vendedor) de opção de compra, pela diferença positiva entre o preço de exercício da opção, acrescido do valor do prêmio, e o custo de aquisição do ativo objeto do exercício da opção;

      Não importa que a compra tenha ocorrido em 2006 e o lançamento da opção somente no último mês. O que realmente importa é que a venda da ação ocorreu via exercício de opções e portanto não se beneficia da isenção.

      Excluir
  18. Nossa, isso praticamente invibializa estruturar sobre acoes antigas que ja geraram grande lucro para quem opera pequeno... Posso compensar o imposto fazendo a venda simples de acoes a quais tive prejuizo, tipo Cielo ou BRF, dentro do mesmo mes?
    Olhando pela mesmo lado, se eu fizer estruturacao com estas acoes que tomei prejuizo e for exercido isso gera um credito de imposto interessante para ser abatido no futuro...

    Obrigado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso, vendendo essas outras ações (operações comuns) com prejuízo dentro do mesmo mês, o prejuízo delas servirá para abater o lucro gerado pelo negócio da opção exercida. Assim diminuirá a base de cálculo do IR.

      Excluir
    2. Boa noite. Estava pesquisando pois tenho a mesma dúvida do Bueno. Vender opção de compra usando ações antigas, o que acaba por gerar um lucro muito alto, se exercida. No caso da sua sugestão de 10/2/19 16h02, eu poderia vender ações com prejuízo pra compensar? Pelo que entendi, o lucro da operação será considerado como lucro com opções. Pelo que entendo não pode compensar lucro de opção com prejuízo de ação. Ou não?

      Excluir
    3. Boa noite! Sim, você pode utilizar prejuízo de ações para compensar lucro de opções desde que sejam operações de mesma modalidade.

      Prejuízo em operação comum compensa lucro com operação comum (independente se é ação ou opção).

      Prejuízo em operação day trade compensa lucro com operação day trade (independente se é ação ou opção).

      O fato de serem ativos diferentes (ação, opção, minicontratos) não “impede” a compensação entre eles. O que não pode é usar prejuízo de operação comum para compensar lucro em operação day trade (ou vice-versa).

      Excluir
  19. Boa tarde!
    Tenho a seguinte dúvida: Caso faça uma ou mais vendas no mês que totalizem R$ 19.000,00, no mercado a vista de ações (isento de IR) e faça mais algumas operações de opções, também sem ser daytrade, as quais totalizem R$ 4.000,00, com lucro líquido de R$ 2.000,00, por exemplo.
    A alíquota de 15% de IR incidirá somente sobre os R$ 2.000,00 auferidos de lucro nas operações com opções ou como passei de 20 mil em vendas totais devo recolher o imposto sobre o valor total do lucro (ações + opções)?

    Obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde, os 15% incidirão apenas sobre o lucro de R$ 2 mil nas operações com opções. Nas ações você estará isento, pois as vendas das opções não são contabilizadas no limite de R$ 20 mil.

      Excluir
  20. Boa tarde. Em novembro de 2018 fiz algumas compras de opcoes e nas vendas que ocorreram em dia posteriores só tive prejuizo. Somente uma das opcoes que deixei realizar me deu lucro que diminui o meu prejuizo, mas mesmo assim fiquei no vermelho. Porem essa aplicacao teve irrf. Nao paguei o darf pois no meu entendimento eu tive prejuizo e esse ajuste seria demonstrado a receita atraves da declaracao do imposto de renda e justificaria o "dedo-duro". É correto esse entendimento?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde Silvia! Teu entendimento está correto. Você não deve pagar IR e toda essa situação você irá demonstrar para a Receita através da declaração anual do imposto de renda. O fato de haver gerado IRRF (o famoso dedo-duro) não significa necessariamente que há mais imposto a pagar.

      Excluir
    2. Obrigada. Só esqueci de um detalhe que me causou duvida tambem. Essa opcao era uma trava de alta. Ela foi realizada a compra e a venda no mesmo dia. Isso nao caracteriza um day trade por ter comprado as acoes e vendido no mesmo dia?

      Excluir
    3. Não caracteriza Day Trade, pois na verdade você está operando duas opções diferentes. Elas são relativas a um mesmo ativo-objeto, mas possuem código diferente (já que o strike não é o mesmo).

      Muitas pessoas se enganam por causa disso. Trava de alta é somente o nome de uma estratégia no mercado de opções. Para efeitos de cálculo de IR elas devem ser consideradas duas operações completamente separadas uma da outra.

      Excluir
    4. Muito obrigada. Me esclareceu muito.

      Excluir
    5. Trade Bolsa, tirando uma dúvida parecida, tive mais prejuízo que lucro no mês com operações normais vendendo acima dos 20 mil. A questão é o seguinte o dedo duro reteve ir na fonte aí como tive prejuízo não pagarei ir no mês e só poderei receber esse retido quando fizer o IRPF?

      Excluir
    6. Olá! Você pode usá-lo para compensar em uma DARF de algum mês seguinte, até o fim do ano-calendário em que o IRRF foi gerado. Se após fim do ano-calendário ainda houver saldo acumulado, aí pra rever o valor precisa pedir restituição pela DIRPF.

      Excluir
  21. Olá, bom dia, tudo bem?

    Fiz o download do programa do SICALC para calcular o IR de Janeiro de 2019, porém estou com dúvidas:

    Movimentei, somando as operações de Swing Trade e Day Trade, R$ 18.884,50 em vendas (abaixo de R$ 20K). Entendo então, que, neste caso, tenho isenção do imposto, correto?
    Destas operações, tive prejuízo em todas as operações Day Trade.

    Como devo gerar a DARF para evitar problemas futuros? O valor da DARF a ser preenchido é somente do lucro recebido, após R$ 20.000,00 ?

    Agradeço se puder responder com detalhes, porque sou leigo no assunto!

    Grande abraço,
    Antonio FILHO

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Antonio! Para saber o valor correto a pagar, primeiro divida as operações em operações comuns e operações day trade. Veja qual foi o resultado em cada modalidade. Vamos imaginar que lucrou R$ 1 mil em operações comuns e R$ 1 mil em operações day trade.

      Depois veja se vendeu, ou não, mais de R$ 20 mil em ações. A partir daí existem duas possibilidades.

      Vendeu mais de R$ 20 mil em ações? Paga IR de 15% sobre o lucro de R$ 1 mil das operações comuns e 20% sobre o lucro de R$ 1 mil das operações day trade.

      Vendeu menos de R$ 20 mil em ações? Fica isento de IR sobre o lucro de R$ 1 mil das operações comuns, e paga 20% sobre o lucro de R$ 1 mil das operações day trade (a isenção só vale pra operações comuns com ações).

      Para facilitar e organizar o cálculo sugiro usar uma planilha: https://www.investimentonabolsa.com/2016/12/planilha-calculo-ir-acoes.html

      Excluir
  22. Olá!! Tenho uma dúvida. Fiz a venda de put e fui exercido e no mesmo dia vendi as ações que comprei pelo exercício da put. Isso seria uma operação day-trade ou seria no mercado de opções como operação comum?
    Outra dúvida. Eu já tinha ações desse ticket antes do exercício da put, essas ações que comprei no exercício e vendi no mesmo dia contam para eu calcular o preço médio das ações que eu já tinha? Exemplo: eu tinha 400 ações itub4 e fui exercido em 400 opções de put de itub4 e vendi no mesmo dia, essas 400 ações que comprei no exercício de put e vendendo no mesmo dia vão entrar com as outras 400 ações que eu tinha para calcular o preço médio?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Você deve considerar como uma operação comum no mercado de opções.

      IN RFB Nº 1585, Art. 65. § 13. Não se caracteriza como day-trade:

      I - o exercício da opção e a venda ou compra do ativo no mercado à vista, no mesmo dia;

      Já em relação à segunda dúvida, como a venda ocorreu no mesmo dia do exercício, não deve considerar no preço médio de compra as ações que você já possuía em carteira. Ou seja, considere que o preço de compra foi o preço de exercício menos o valor do prêmio recebido.

      Excluir
  23. Olá novamente. Para confirmar, o limite de isenção de venda de ações de R$20.000 no mês não inclui FIIs, que tem tributação diferenciada, certo? Quer dizer que se eu vender R$19.000 de acões e mais R$10.000 no mesmo mês, deverei recolher em DARF somente o imposto referente a ganho de capital de FII (20%)?

    Obrigado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exatamente isso Bueno. Vendas de FIIs não devem ser contabilizadas no limite de isenção.

      A apuração de FIIs não se mistura com a de ações em nenhum momento. Inclusive não pode utilizar prejuízo de FIIs para abater lucro de ações (ou vice-versa).

      Logo nesse seu exemplo, você estaria isento em operações comuns com ações, e teria somente que recolher o IR de 20% sobre o ganho com Fundos Imobiliários.

      Excluir
    2. “Inclusive não pode utilizar prejuízo de FIIs para abater lucro de ações (ou vice-versa)”...
      Eita agora fiquei confuso... pra mim era tudo DARF 6015. Então ações e opções que não são day trade pode abater uma da outra, mas FIIs não pode abater de nenhuma outra coisa?
      Poderia me informar a lei e parágrafo que menciona isso?
      Muito obrigado novamente!

      Excluir
    3. O fato de ser tudo DARF 6015 não significa que você pode usar prejuízo de FIIs para abater lucro de ações (ou vice-versa). Prejuízo de Fii só abate lucro com Fii.

      Segue trecho da IN RFB 1585 art. 37

      § 2º Para efeitos do disposto no inciso I do § 1º, as perdas incorridas na alienação de cotas de fundo de investimento imobiliário só podem ser compensadas com ganhos auferidos na alienação de cotas de fundo da mesma espécie.

      Excluir
  24. Olá, boa noite! Parabéns pelo ótimo conteúdo e qualidade nas respostas.

    Tenho algumas dúvidas por favor:

    1. Tive lucro em operações normais com opções neste mês de Março 2019. Como faço para gerar o DARF? Tem algum programa da Receita que devo obrigatoriamente usar para fazer isto?

    2. Na declaração anual do próximo ano (2020), quando eu inserir as informações de lucro do mês de Março 2019, irá aparecer que tem imposto devido! Mas se eu paguei o DARF como informar que eu já paguei este imposto devido do ano anterior para que não apareça a pendencia do imposto devido?

    3. Tive um pequeno lucro com compra e venda de cotas de FIIs cujo valor inferior a R$ 10,00. Tem valor mínimo para pagar DARF? Este valor acumula para os próximos meses ou simplesmente ignoro?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite! Obrigado pelo Feedback. Muito bom saber que você está gostando do site. Seguem respostas abaixo:

      1 - Pode gerar no teu internet banking ou através do programa Sicalc da Receita Federal. Não é obrigatório gerar através do programa da Receita.

      2 - Existe um campo específico para você informar o imposto pago. Você deve inserir o valor pago e depois a Receita vai cruzar as informações declaradas com as DARFs pagas.

      3 - Esse valor acumula para os próximos meses. Anote que deverá somar esse valor na próxima DARF código 6015 que chegar no valor mínimo de R$ 10 de IR a pagar. Se demorar para isso acontecer, não tem problema.

      Excluir
    2. Entendi, obrigado. Muito bem explicado!

      Excluir
  25. Mais uma dúvida por favor, como faço para carregar e deduzir o Imposto de Renda Retido na Fonte de operações Normais e operações Daytrade do ano anterior (2017) ?

    Será que funciona declarar isto ou pelo menos o retido de operações Normais na ficha "Imposto Pago/Retido" ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. O imposto retido na fonte você não pode carregar de um ano para o outro. Através da declaração anual do IRPF você pode pedir a restituição do saldo de IRRF das Operações Normais não utilizado para compensação durante o ano.

      Nesse caso, o valor não utilizado você insere na ficha de “Imposto Pago Retido > Imposto sobre a renda na fonte (Lei nº 11.033/2004)".

      Se optar por pedir restituição, tenha muito cuidado ao inserir os números, pois qualquer erro você cai na malha fina.

      Já o IRRF de day trade você apenas pode pedir devolução pelo programa PER/DCOMP da Receita Federal.

      Excluir
    2. Ok, muito obrigado pelos esclarecimentos!!

      Pois é, mesmo estando tudo certinho ainda corre o risco de cair na malha fina só por informar em "imposto pago/retido" o IRRF não compensado de operações normais do ano anterior, acho que vou deixar pra lá, o valor era bem pequeno.

      O maior valor de IRRF não compensado do ano anterior era de Daytrade, mas aí como você disse tem todo esse processo PER/DCOMP da Receita Federal que é mais complicado ainda kkkk.

      Excluir
    3. Olá, boa noite. Ainda estou estudando sobre estas questões heheh. Voltei novamente a analisar este assunto hoje e me surgiu uma dúvida agora.

      Por que o IRRF de Operações Normais eu posso pedir restituição declarando o valor em "Imposto Pago/Retido" e o IRRF de operação Daytrade eu não posso fazer isto da mesma forma?

      Me parece que este programa PER/DCOMP é somente para solicitar reembolso de DARFs ou outros valores de impostos pagos a maior, que não é o caso.

      Verifico que o IRRF retido tanto de Daytrade quanto de operações Normais são usados para abater o valor de imposto a pagar. Ou seja, não há separação para fins de compensação.

      A informação que aparece na declaração também parece fazer menção à restituições de IRRF às quais referem-se a mesma lei de retenções de IR, tanto de DT quanto operações Normais.

      Além disto, ambas as retenções de IRRF, tanto de Daytrade quanto Normais não foram compensadas, e portanto tenho direito de pedir estas restituições já que não tenho como carregar estes valores do ano anterior para a declaração de agora, certo?

      Excluir
    4. Uma coisa é compensar direto nas DARFs a pagar e outra é a maneira de pedir restituição caso o saldo não seja utilizado até o final do ano. Atualmente pela declaração você apenas pode solicitar restituição do IRRF de operações comuns.

      E sim, é possível fazer o pedido de restituição de IRRF Day-Trade pelo PERDCOMP. Afinal o IRRF também é recolhido via DARF, só que o recolhimento é de responsabilidade da corretora.

      Esse Imposto sobre a renda na fonte (Lei nº 11.033/2004) refere-se ao de Operações Comuns, inclusive na “Consolidação do mês” na ficha de Renda Variável você vai perceber isso. E essa lei 11.033/2004 trata apenas do IRRF das operações comuns. A lei que trata do IRRF de operações Day Trade é a nº 9.959/2000.

      Excluir
    5. Olá amigo, bom dia. Obrigado pela resposta!

      Você tem razão. Eu li com calma todos os parágrafos do artigo e de fato aquele campo do "Imposto Pago / Retido" somente se aplica para o IRRF de operações Normais e não Daytrade.

      E se como você disse as corretoras recolhem o IRRF por meio de DARF então realmente faz sentido usar este processo do PER/DCOMP para solicitar a restituição.

      Por acaso você sabe me dizer que existe algum prazo para pedir a restituição do IRRF sobre daytrade do ano calendário 2018?

      Se eu fizer este processo, será que eu posso incluir também o IRRF Daytrade do ano calendario 2017?

      Excluir
    6. Olá! Sim infelizmente o pedido de restituição do IRRF de day trade não pode ser pela declaração. É algo que deveriam arrumar e fazer um campo igual o que fizeram para o de operações comuns na ficha de "Imposto pago/retido". Mas é claro que não devem ter interesse nenhum em fazer isso... Creio que a intenção seja justamente complicar. Ainda mais que não há nenhuma informação clara de como fazer o preenchimento da solicitação. A corretora faz retenção do IRRF utilizando DARF código 8468. Se não me engano você tem até 5 anos para fazer o pedido de restituição pelo PERDCOMP, então poderia incluir o de 2017.

      Excluir
    7. Ótimo! Muito obrigado pelos esclarecimentos!

      Com certeza o governo não tem nenhum interesse em facilitar ou orientar corretamente sobre este processo. Quem não pedir a restituição ou se por acaso acabar fazendo algum cálculo errado e pagar a mais, com certeza não será a Receita que irá informar isto.

      Obrigado mais um vez por me ajudar e por ajudar tantas pessoas aqui com respostas realmente claras e respondidas com muita coerência e objetividade.

      Abraço!

      Excluir
  26. BOA NOITE, PRECISO DECLARAR SEPARADO MINI INDICE E MINI DOLAR NO IMPOSTO DE RENDA, POIS TEM AS DUAS OPÇÕES NO SISTEMA, COMO DEVEMOS FAZER ?

    COM DECLARAR OS DIVIDENDOS?

    AS AÇÕES E OPÇÕES TBM DEVEM SER SEPARADAS OU TUDO JUNTO ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite. Você deve declarar os resultados de Mini Índice e Mini Dólar de forma separada. Os resultados de ações e opções também são declarados em campos separados. Na ficha de "Renda Variável - Operações/Comuns Day-Trade" existem campos específicos para você inserir o resultado de cada tipo de ativo. Além de separar os resultados pelo tipo de ativo, deve separar pela modalidade da operação (comum ou day trade).

      Excluir
  27. Agora meu mundo caiu. Realmente procede que operações de day trade "consomem" o limite de 20mil para vendas de swing trade? Se os prejuízos não podem ser abatidos um do outro, porque o volume operado de um influencia no outro?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Basicamente o que a legislação diz é que os ganhos com ações, no mercado à vista, são isentos de IR se o total de vendas de ações no mês não ultrapassar R$ 20 mil. Depois diz que essa isenção não se aplica às operações day trade. Mas em nenhum momento ela diz que as vendas de ações day trade não afetam o limite de R$ 20 mil em vendas.

      Sugiro a leitura do seguinte artigo do Infomoney, que comenta a questão.

      “O valor das operações day trade contam no somatório do limite de isenção (R$ 20 mil)?”

      Leia: https://www.infomoney.com.br/minhas-financas/impostos/noticia/2345143/renda-variavel-isencao-imposto-causa-duvida-entre-investidores

      Essa tua pergunta é boa: “Porque o volume operado em um afetaria no outro?” Talvez porque a Receita só quer beneficiar quem realmente é pequeno investidor no mercado de ações. Essa poderia ser uma explicação...

      Excluir
  28. Boa tarde , em primeiro lugar gostaria de te parabenizar pelo conteúdo sério do seu site , e a clareza das suas respostas.
    Tenho uma duvida qto a um lançamento coberto que fiz em dezembro 2018 , e fui exercido em janeiro deste ano. Como declaro as ações e as opções de venda na declaração de ajuste anual?
    Li num post acima que as ações entram no campo bens e direitos (codigo 47) e as opções de venda entrariam no campo de dívidas e ônus reais (código 16), mas qual seria o valor a declarar nesse ultimo campo? Seria o valor do exercício? Exemplo : 1000 opções de petrA19,25 = 19250,00 de divida?
    Obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite Mark,

      Posição vendida em opções (você é o lançador da opção), seja Call ou Put, entram em Dívidas e Ônus Reais (Cód. 16 - Outras dívidas e ônus reais)

      Posição comprada em opções (você é o titular da opção), seja Call ou Put, entram em Bens e Direitos (Cód. 47 – Mercados futuros, de opções e a termo).

      Sobre o valor a ser declarado no caso de posição vendida (ficha Dívidas e Ônus Reais) será: preço de venda da opção x quantidade - taxas. Ou seja, é o valor do prêmio recebido menos as taxas operacionais.

      No caso de posição comprada (Bens e Direitos) o valor a ser declarado é: preço de compra da opção x quantidade + taxas. Ou seja, é o valor do prêmio pago pela opção mais as taxas operacionais.

      Excluir
  29. Olá Boa Noite,
    Antes de mais nada parabéns pelo site... esclareci muita coisa aqui.
    Minha dúvida é quanto ao preço médio de um conjunto de ações e como declarar os ganhos/prejuízos. Já entendi que devo considerar o preço de compra mais as taxas da operação. Sendo assim, supondo que:
    1) iniciei 2018 com 1800 ações da empresa ABCD com custo médio de R$30,00;
    2) em jun/2018 comprei 100 ações ao custo de R$ 20,00
    3) em out/2018 vendi 400 ações ao custo de R$ 23,21;
    4) em nov/2018 comprei mais 300 ações a R$ 24,04;

    Após estas operações entendi que não devo considerar lucro na venda das últimas 100 ações que comprei, mas sim considerar o custo médio geral e encarar como um prejuízo na venda de 400 ações, já que quando vendi, o meu custo médio era de R$ 29,21 (1800*30,00 + 100*15,00 / 1900). Neste caso o prejuízo foi de R$ 2400 (29,21-23,21 * 400) que devo lançar na aba de "renda variável - operações comuns - mercado a vista" dentro do mês de outubro, com sinal negativo e ir compensando esse prejuízo nos meses seguintes, certo?

    A outra dúvida é com o valor a lançar em Bens e Direitos, após a nova operação de compra realizada em nov/2018. Devo desconsiderar que vendi as 400 ações a R$ 23,21 e entender que eu tinha 1500 ações ao custo de R$ 29,21 e acrescentar mais 300 ações a 24,04, totalizando R$ 51.027,00 (1500*29,21 + 300*24,04) ? Ficaria: Situação em 2017 = R$ 54.000,00 (1800*30) e Situação em 2018 = R$ 51.027,00 ?

    Obrigado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá André, é exatamente isso. Única coisa é que no cálculo do preço médio das 1900 ações, você considerou 100 a R$ 15,00. Mas lá em cima no item 2 falou que era uma compra de 100 ações ao custo de R$ 20,00. Logo o preço médio seria R$ 29,4736. E o prejuízo de outubro a lançar na ficha de Renda Variável, com sinal negativo, seria (R$ 23,21 - R$ 29,4736 * 400) = - R$ 2505,44.

      Sobre o lançamento da posição em Bens e Direitos também está certo. Só ajustar a mesma questão que comentei acima. Ou seja, o custo de compra a ser declarado na situação em 2018 seria (1500 * R$ 29,4736 + 300 * 24,04) = R$ 51.422,40 (1800 ações a preço médio R$ 28,568). Se a gente considerasse 100 ações a R$ 15,00 no item 2 desse exemplo, aí teu cálculo estaria certo.

      Excluir
    2. Perfeito... obrigado! Não sei de onde saiu esse R$15,00. O seu cálculo é o correto.

      Excluir
  30. Bom dia!
    Tenho duas duvidas e gostaria de saber se podem me ajudar.

    1) Caso feche uma posição de opções num mês e vendi menos de 20k em ações no mês em questão. Devo recolher imposto (DARF) somente sobre o lucro das opções ou por ja estar recolhendo devo também recolher das ações?

    2) O IRRF somente é recolhido nas operações de venda, o valor de I.R. s/ Impostos que aparece na Nota de Corretagem não é IRRF e NÃO é compensado no DARF como tal, correto?

    Muito obrigada desde já!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Aline,

      1) Deve recolher somente sobre o lucro das opções.

      2) O IRRF das operações comuns vem discriminado na nota de corretagem como “I.R.R.F. s/ operações”. Se for isso que você quis dizer, este valor abate diretamente do valor da DARF a pagar (ou seja, é descontado na última etapa do cálculo do IR a pagar). Porém importante lembrar que a corretora só desconta de você esses valores de “I.R.R.F. s/ operações”, quando o acumulado mensal ultrapassa R$ 1.

      Excluir
  31. O valor do imposto retido na fonte durante o ano-calendário sobre rendimentos de DAY TRADE ou SWING TRADE pode ser compensado com o imposto incidente sobre ganhos auferidos em meses do ano-calendário seguinte?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Celso, não pode. Sugiro dar uma lida no comentário de “13 de março de 2019 21:35”, em que falo exatamente sobre isso.

      Excluir
  32. Muito obrigado, amigo. Sempre nos auxiliando.... Parabéns pelo trabalho...

    ResponderExcluir
  33. Adquiri hoje a planilha, extremamente fácil a compreensão e o uso dela. Sensacional.... Bons trades.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Celso, obrigado! Qualquer dúvida é só enviar e-mail.

      Excluir
  34. Bom dia! Primeiro, obrigada por compartilhar seus conhecimentos e pelos esclarecimentos através desse site.
    Adquiri a planilha ano passado, mas só agora estou fazendo uso da mesma.

    - Se possível, gostaria que me ajudasse com algumas dúvidas que tenho:

    Em novembro/2018 fiz uma trava de alta Call opção compra PETRL274 e opção venda PETRL284, que virou pó em 16/12/2018
    Como lançar na planilha e em qual mês? já que na Nota de corretagem de novembro aparece a venda das opções PETRL284

    Desde já agradeço!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Edna, nesse caso (opções viraram pó) você lança na planilha do mês de vencimento das opções (dezembro) duas operações:

      OPCAO | PETRL274 | Preço compra: R$ X,XX | Preço venda: R$ 0,00. Sendo que o preço da compra é aquele da compra realizada em novembro.

      OPCAO | PETRL284 | Preço compra: R$ 0,00 | Preço venda: X,XX. Sendo que o preço da venda é aquele da venda realizada em novembro.

      Vale lembrar que trava de alta é apenas nome de uma estratégia no mercado de opções. Para cálculo de IR você deve considerar duas operações completamente separadas uma da outra.

      Excluir
  35. Muito obrigada, pela resposta! Tenha um ótimo final de semana!

    ResponderExcluir
  36. Ola, na Aba 20 – ( Ganhos líquidos em operações no mercado à vista de ações negociadas em bolsas de valores nas alienações realizadas até 20.000 .... )

    Eu devo declarar apenas a SOMA dos GANHOS LÍQUIDOS POSITIVOS (apenas os lucros)? Ou esses Ganhos líquidos é a subtração dos prejuízos das alienações abaixo de 20.000,00

    Ex.: Tive lucro de 1.000,00 em AZUL4 ( Swing trade) e um prejuizo de 400,00 em ITUB4 (Swing trade), ambas operações alienadas abaixo dos 20.000.

    Devo declarar na Aba 20 da declaração apenas o ganho líquido da AZUL4 ( 1.000 )? ou o Ganho líquido desse tipo de operação ( alienações abaixo de 20.000 no mês), sendo assim declarando apenas R$ 600,00 de Ganho líquido..

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde! É importante você entender que a apuração sempre leva em conta o conjunto de operações realizadas no mês.

      Então antes verifique o resultado obtido em operações comuns com ações em cada mês do ano.

      Todos os meses que, somando os resultados de todas as operações comuns com ações finalizadas no mês (deve somar os lucros e prejuízos obtidos) terminarem positivos, e o total de vendas de ações não ultrapassar R$ 20 mil, o lucro estará isento.

      São os lucros desses meses que deverão ser inseridos na ficha de “Rendimentos Isentos e Não Tributáveis - código 20.” Quando digo “lucro desses meses”, é aquele lucro que você encontrou somando o resultado de todas operações comuns com ações finalizadas dentro do mês.

      Excluir
  37. Gostei muito da informação acima mas, tenho algumas dificuldades pois iniciei operações em opções mo fim de dez/18. Descobri a semana passada que teria que recolher mês a mês e fiz o pagamento com multa.
    ontem.
    Descobri que não descontei os prejuízos de janeiro/fevereiro e provavelmente paguei imposto a maior.
    O que paguei a mais no bimestre tem como restituir com as perdas dos próximos meses?
    Estou fazendo o de março mas não sei onde encontrar o documento de declaração mês a mês. Vasculhei o site da receita mas, não encontrei . Como devo proceder???
    Muito obrigado

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Para restituição de valor pago a maior, a única maneira é fazer pedido via PERDCOMP da Receita Federal. Não é permitido abater o valor pago a maior, do valor das DARFs dos próximos meses.

      A sua obrigação é calcular o IR mensalmente e caso necessário gerar DARF e pagar até o último dia útil do mês subsequente ao de apuração. Fora isso, você vai precisar declarar/informar os lucros e prejuízos mensais na declaração anual do imposto de renda (ficha de Renda Variável). Vale lembrar que quem faz operações na bolsa é obrigado a declarar imposto de renda.

      Excluir
  38. Olá amigo, bom dia! Vou precisar mais uma vez de uma ajuda sua por favor.

    Vamos supor que os seguintes resultados mensais (Jan e Fev) foram referentes a operações normais com ações e em todos estes meses (Jan e Fev) as vendas não ultrapassaram o limite de 20K.

    Janeiro = Prejuízo de R$ 300,00 . Fevereiro = Lucro de R$ 250,00.

    No mês de Março as vendas com operações normais com ações ultrapassaram 20K e o lucro deste mês de Março foi de R$ 200,00.

    Neste caso devo pagar DARF ??

    Como eu tinha um prejuízo acumulado de R$ 300, acredito que não devo pagar DARF pois o meu resultado é um prejuízo de R$ 100 (-300+200), certo? Estou desconsiderando o lucro de R$ 250 de Fevereiro pois as vendas ficaram abaixo de 20K e estariam isentas.

    Está correto isto?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde MR! Sim, é exatamente isso. Não há IR a pagar. O lucro de R$ 250 de fevereiro não deve ser considerado porque ficou dentro do critério de isenção de IR. Após o ganho destes R$ 200 em março, você ainda fica com R$ 100 para compensar nos meses seguintes.

      Excluir
    2. Muito obrigado pelo rápido e eficiente retorno!

      Como sempre muito bem esclarecido.

      Poxa vida, era óbvio, se os lucros estão isentos, então é claro que não podem ser contabilizados junto do resultado de rendimentos tributáveis. kkkk

      Acabo de perceber que fiz errado a minha declaração referente ao ano calendário de 2016. Eu inclui um bom lucro que estava isento (vendas menores que 20K) no campo da renda variável (tributável). Isto fez reduzir indevidamente o meu prejuízo a compensar.

      Eu nunca retifiquei uma declaração de IR nem nunca paguei IR pois sempre tive prejuízo a compensar. Este mês de Março é que zerou o crédito.

      Então se fosse fazer o correto acho que eu teria que retificar a declaração do ano de 2016. Que vai carregar o novos valores para a declaração do ano passado, ano calendário 2017. Ou seja, acho que iria impactar numa retificação também na declaração do ano de 2017.

      Será que é complicado e vale a pena fazer essas retificações?

      Excluir
    3. Entendi. Esses lucros mensais isentos deveriam ter sido preenchidos apenas na ficha de Rendimentos Isentos e Não Tributáveis - código 20.

      Retificar não é algo tão complicado. Vai precisar baixar os programas da DIRPF dos anos de 2016 e 2017 e preencher de novo com as devidas correções.

      Se isso for te gerar um valor considerável a compensar, creio que seja interessante fazer a retificação. Mas se for muito pouco, aí tem que ver se realmente vale a pena gastar tempo com isso (afinal, tempo é dinheiro rsrs)

      Excluir
    4. Exato. Bom, vou pensar sobre isso.

      Valeu, abraço!

      Excluir
  39. Olá Tudo Bem? Tenho uma dúvida? Sou obrigado a pagar a DARF sobre uma opção que entrei a um preço de R$ 2,53 e vendi antes do prazo (desmontagem) por um preço de R$ 4,80 (Comprei 300 opções de uma determinada empresa). total da desmontagem R$ 1.440,00 (venda) - R$ 759,00 (compra) = R$ 681,00 de lucro.
    A opção funciona como uma ação de não precisar pagar DARF até o limite de R$ 20.000,00 reais no mesmo mês?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde! A isenção só é válida para operações comuns com ações. No caso das opções, se houve lucro mensal, deve ser pago IR independente se o total de vendas ultrapassou ou não R$ 20 mil.

      Excluir
  40. Olá amigo. Sabe me dizer se quando eu recebo e vendo os meus direitos de subscrição de uma ação, o valor desta venda entra na regra de isenção dos 20K mensais?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá. O valor da venda de direitos de subscrição não entra na regra de isenção dos R$ 20 mil mensais.

      Excluir
    2. Pois é, eu não entendo muito de subscrição. Na prática eu recebi algumas ações por causa deste processo de subscrição e vendi tudo a mercado.

      Portanto eu entendo que somente o resultado líquido desta venda gerou um rendimento, pois não houve compra anterior destas ações. Então a dúvida era se eu lançava esse rendimento líquido da venda destas ações como rendimento isento já que o volume de vendas de ações no mês não ultrapassou 20K, ou como rendimento tributável na planilha de operações de renda variável do programa da receita.

      Está correto então lançar isto como rendimento tributável?

      Excluir
    3. Sim está correto lançar o lucro dessa operação como um rendimento tributável, na ficha de Renda Variável - Operações Comuns/Day-trade. Por ser direito de subscrição, essa operação não se beneficia de nenhuma isenção de IR e o valor referente a sua venda também não afeta o limite de R$ 20 mil (da isenção das operações comuns com ações).

      Excluir
    4. Ok. Muito obrigado pelos esclarecimentos!!

      Mais um bela resposta nos ajudando sempre! Valeu, abraço.

      Excluir
  41. Boa Noite amigo,
    No Mês passado foi executado uma put que eu era titular por um valor acima do mercado.
    Devo calcular esse ganho utilizando o (meu preço médio + o valor de compra da put) - o valor que foi vendido.
    Desse lucro eu tiro os 15% do imposto.. Correto?
    Desde já obrigado pela atenção.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite Lucas. É exatamente isso.

      Excluir
    2. Muito Obrigado. Parabéns pelo projeto. Irei acompanhar

      Excluir
  42. Olá, boa tarde!
    Fiz um financiamento de opções da seguinte forma: comprei 100 PETR4 a 15,26 e vendi 100 PETRG14 a 1,76 (em 15/06/18), e fui exercido nas 100 PETR4 a 13,96 (em 16/07/18). Então, o líquido da operação foi 100×13,96 - 100×15,26 + 100×1,76 = 46. O IR ficaria 15% de 46 = 6,9, correto?
    Como fica a geração do DARF nesse caso? E como faço a declaração no IRPF?
    Muito obrigado desde já!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Exato. Teu lucro líquido na operação foi R$ 46,00. Desse lucro ainda é possível abater as taxas operacionais. O IR dessa operação é de 15% sobre o lucro. Se você só concluiu essa operação no mês, então o IR deverá ser calculado sobre este lucro líquido. Deve gerar a DARF e pagar até o último dia útil do mês subsequente ao da apuração. Na declaração de IR, esses R$ 46,00 entram na ficha "Renda Variável / Operações Comuns - Day Trade", no campo "Mercado de opções - ações" (operações comuns).

      Excluir
  43. Pergunta 1:
    ola tudo bem comprei um trava de alta de opção no ano passado e obtive lucro gostaria de saber como faço para declarar essa trava de alta para receita?

    Pergunta 2:
    Quando eu obtiver lucro em ações em alguns meses devo colocar esse lucro na aba renda variável no programa da receita, ou vou colocar a soma te todos os messes de lucro na aba rendimento isentos e não tributáveis? e quando obtiver prejuízo em 1 mês devo colocar em qual aba?

    Pergunta 3:
    Relacionado a opções novamente quando tiver uma trava de alta exercicida devo declarar ela como se fosse no mercado a vista?

    desde ja agradeço muito pela resposta!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 1) Sendo a operação finalizada dentro do mesmo ano, apenas declara o resultado obtido na ficha de Renda Variável – Operações Comuns/Day-Trade. Entra no campo de “mercado de opções – ações”.

      2) Na ficha de Rendimentos Isentos e Não Tributáveis você apenas vai declarar lucros mensais isentos de operações comuns com ações (referentes aos meses em que o total das alienações de ações não ultrapassou R$ 20 mil). Todos os outros resultados devem ser colocados na ficha de Renda Variável.

      3) Exercício de opções é considerado operação no mercado de opções. Declara o resultado na ficha de Renda Variável, no campo “mercado de opções – ações”.

      Excluir
    2. referente a segunda pergunta no caso eu comprei e vendi 100 ações de petro e 100 ações de vale, obtive um lucro de 200 reais na petro e perdi 100 reais na vale, então tive um lucro de 100 reais naquele mês, neste caso posso colocar esses 100 reais na ficha de rendimentos isentos e não tributáveis e não precisaria colocar na ficha de renda variável por que foi um lucro?? se tivesse prejuízo com essas 2 operações apenas declararia o prejuízo na ficha de renda variável referente aquele mês?

      Excluir
    3. Exatamente isso Vaniel. Nesse caso como lucrou no mês (em operações comuns com ações) e não ultrapassou R$ 20 mil em vendas de ações, coloca o lucro mensal de R$ 100 na ficha de Rendimentos Isentos e Não Tributáveis. Mas se o mês tivesse terminado com prejuízo, aí apenas colocaria o resultado na ficha de Renda Variável.

      Excluir
    4. Vaniel, o prejuízo você coloca com sinal negativo (-) na ficha de Renda Variável. Lembrando que a declaração é anual, você só vai declarar isto nos resultados de 2018.

      Excluir
    5. ok mais ainda fiquei como uma duvida quando fechar positivo os meses devo fazer a soma total anual dos lucros e colocar o valor todo junto na ficha de rendimentos isentos e não tributáveis numa vez só?

      Uma ultima duvida ksksksk quando fechar positivo em 1 mês por exemplo eu não preciso declarar na aba da renda variável, apenas na aba de rendimentos isentos e não tributáveis fazendo a soma dos lucros anuais?

      Excluir
    6. Você precisa ver a situação de cada mês do ano. Se em todos os meses você só fez operações comuns com ações e todos os meses terminaram com lucro isento, aí soma os resultados dos meses e lança tudo na ficha rendimentos isentos e não tributáveis - código 20.

      Mas normalmente, alguns meses você não ultrapassa R$ 20 mil vendas de ações, e fica isento de IR e, outros meses ultrapassa e não fica isento. Aí os meses com lucro isento você soma e lança em “Rendimentos Isentos e Não Tributáveis” e os meses com lucro tributável coloca mês a mês na ficha de Renda Variável (na aba do mês em questão). Ah, e os meses com prejuízo coloca sempre em Renda Variável.

      E a tua última dúvida na verdade já está respondida acima. Você precisa ver a situação de cada mês do ano. No mesmo ano podem haver meses com lucro isento, meses com lucro tributável e meses com prejuízo. E a ficha em qual você insere o lucro do mês depende justamente se ficou enquadrado na regra de isenção mensal ou não.

      Outra observação importante: se você faz day-trade, opera opções, etc, o resultado mensal obtido nessas modalidades de operações devem ser preenchidos sempre em Renda Variável porque não são beneficiadas pela regra de isenção.

      Excluir
  44. Olá. Fiz uma venda mensal com lucro, cujo o valor bruto ultrapassou em míseros R$15,00 os 20k . Subtraindo a taxa de operaçao do banco, corretagem etc, valor liquido que pingou na minha conta foi inferior a 20k. Me enquadro para o pagamento do IR de 15% sobre o lucro?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Sim, infelizmente se enquadra para o pagamento do IR de 15%. Há que considerar o valor bruto da venda.

      Excluir
  45. Olá, bom dia. Parabéns pelo conteúdo, muito bom.
    Poderia, por favor, esclarecer uma dúvida: Vendi uma Put de BBAS a 1,70 no strike R$48,02, fui exercido e comprei as ações. Estou com ela em estoque ainda.
    O correto seria lançar meu custo de aquisição a R$ 48,02 - R$ 1,70 = R$ 46,32 ?
    Fazendo assim recolheria IR somente na venda da ação no futuro (com lucro é claro), e o lucro com a Put estaria aí embutido nesta operação ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nesse caso em que foi exercido e manteve a ação em estoque, o lucro com a put estaria embutido no preço médio da ação comprada através do exercício. Logo teu custo de aquisição seria os R$ 46,32 e recolhe IR somente na venda da ação.

      IN 1585, Art. 60 fala exatamente sobre isso.

      § 1º Não ocorrendo venda à vista do ativo na data do exercício da opção, o ativo terá como custo de aquisição o preço de exercício da opção, acrescido ou deduzido do valor do prêmio, nas hipóteses previstas, respectivamente, nas alíneas “a” e “d” do inciso II.

      Sendo que a alínea “d” é teu caso, em que lança uma opção put e é exercido.

      Excluir
    2. Muito obrigado pela sua resposta e pela sua atenção.

      Excluir
  46. Não gerou IRRF em venda de opções (0,005%), aliás, gerou mas é abaixo de 1 Real, então terei que pagar a DARF sobre o lucro? Cadê o dedo-duro?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se não ultrapassou 1 real de IRRF no acumulado das operações comuns no mês, então não houve o “dedo-duro”.

      Excluir
  47. Boa Tarde!! Calculei DARFs erradas referente a 3 períodos (3 meses) e consequentemente paguei ela no valor errado, agora na declaração verifiquei que tinha que pagar um valor um pouco maior (Era para pagar 44,38 e paguei 41,59 / era para pagar 92,61 e paguei 89,89 / era para pagar 253,53 e paguei 246,13). O valor total de diferença desses períodos é 12,91. Como proceder nesse caso?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Michele! Primeiro passo é calcular cada um desses valores atualizados com os acréscimos (multa e juros). Para isso pode utilizar o Sicalc. Depois some todos os valores e gere uma DARF, com período de apuração igual ao último dos 3 meses que você pagou a menor. Depois é só pagar.

      Excluir
  48. Boa tarde, Parabéns pelo material!
    Tenho uma dúvida.
    Vou colocar alguns números pra ficar mais fácil a explicação.

    Vendi uma call (coberto) de BRFS3 por, R$0,50/ação. Com strike de 29,00.
    No vencimento a ação estava R$31. Logo, houve o exercício.

    1- Nesse caso, devo considerar como resultado da operação, strike + premio - valor no dia do exercício? (29+0,5-31), sendo como resultado dessa operação prejuízo de R$1,50/ação, (salvo taxas). Essa é a forma correta?
    2- Caso esteja afirmativo, e houve um prejuízo de R$1,50 por ação, posso compensar esse prejuízo em operações futuras de swing trade (mini-indice)?
    3- As ações que eu tinha coberto declaro o resultado dessa operação no valor de R$29,00 - preço de compra?

    E uma dúvida um pouco diferente...
    4- Em um mês cujas vendas de ações foram inferiores a R$20.000,00. Vendi por exemplo 2 papéis, um que obtive lucro de R$1000, e outro que obtive prejuízo de R$500. Esse prejuízo de R$500 pode ser compensado em lucros em outros mercados (Opções, futuros)?

    desde já agradeço!


    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 1- Isso, teu resultado foi um lucro de R$ 1,50 por ação (menos as taxas operacionais).

      2- Sim pode utilizar todo o prejuízo (R$ 1,50 por ação + taxas da operação) para compensar em swing trade com minicontratos. Exercício de opções é considerado uma operação comum e a compensação entre operações comuns ocorre independente se for mercado de ações, mercado de opções ou mercado futuro. Quando falamos em compensação de prejuízos, você apenas deve ficar atento na questão que operação comum só compensa operação comum e day trade só compensa day trade.

      3- A pergunta não ficou clara. Por ter ocorrido exercício de opções, todo resultado é considerado como mercado de opções e portanto não se beneficia da isenção para vendas até R$ 20 mil no mês. O IR, considerando a pergunta 1, vai ser aplicado sobre todo o lucro da operação.

      4- Não, você sempre deve ter uma visão mensal do teu resultado na hora de apurar IR. Se você teve lucro de R$ 1 mil em uma operação e prejuízo de R$ 500 em outra, e se enquadrou na isenção dos R$ 20 mil em vendas mensais (lembrando que é válida somente para operações comuns no mercado de ações), significa que teve um lucro mensal de R$ 500,00 isento de IR. Lembrando mais uma vez que essa isenção não é aplicada no caso de exercício de opções.

      Excluir
  49. Olá,
    Primeiramente obrigado por compartilhar seu conhecimento!
    Se uma operação com opções vira pó e tenho prejuízo total da operação, posso incluir isso em operações de Day Trade com lucro para o cálculo do IR?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Leo, você deve considerar isso uma operação comum, e portanto só poderá utilizar para abater a base de cálculo do IR das operações comuns. Não pode incluir/considerar como operação Day Trade.

      Excluir
  50. Venda coberta de Call e Put são classificadas como Day Trade ou Operação Comum?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Só é day trade se você vender a opção e recomprar ela no mesmo dia. Fora essa situação, é sempre considerada operação comum.

      Vale lembrar também que o fato de ter recebido inicialmente o prêmio pela venda da opção não significa que você terá que pagar IR. Você só saberá se deve pagar IR, e sobre quanto deve pagar, no mês de encerramento da operação, que será quando ocorrer a recompra da opção ou no mês de vencimento da opção.

      Excluir
  51. Boa tarde! Tendo aplicações em dois mercados, à vista e termo. A minha dúvida recai na apuração do IR sobre o lucro: Devo apurar o resultado nas vendas em uma carteira apenas ou separadamente? Obrigado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite! Faça a apuração do mercado à vista e mercado a termo em uma carteira apenas. A alíquota do mercado a termo é a mesma do mercado à vista. E a compensação de prejuízos pode ser feita normalmente entre os dois mercados, bastando apenas que a operação seja da mesma espécie (comum ou day trade). Fora isso, recomendo que tenha também um "controle" de quanto foi o resultado líquido mensal em cada mercado, pois na declaração do imposto de renda anual você terá que inserir os resultados por tipo de mercado na ficha de Renda Variável.

      Excluir
  52. Se eu lucrei recebendo o prêmio da opção fazendo o lançamento coberto, preciso recolher IR mesmo que nos meses passado tive prejuiso com a venda de alguns papéis, prejuiso esses maiores do que o valor que eu deveria recolher do prêmio das opções.

    Nesse caso caso, posso usar o prejuízo que tive nos papéis em meses atrás para abater o ganho que tive em opções ??

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde Douglas. Pode sim utilizar o prejuízo que teve em outros ativos em meses atrás pra abater esse ganho que teve em opções. Só deve ficar atento se os prejuízos foram na mesma espécie de operação. No caso, se os prejuízos acumulados são de operações comuns, aí poderá utilizar na compensação. Vale lembrar também que você só saberá se deve pagar IR sobre o prêmio quando reverter a operação com a opção ou na data de vencimento da mesma (se virar pó e você de fato ficar com o prêmio recebido como lucro).

      Excluir
  53. Tive um lucro de 20 reais em opções. tenho que declarar ? existe algum minimo que não precisa declarar.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa tarde. Não há nenhum tipo de isenção para o mercado de opções. Lucrou deve obrigatoriamente pagar IR (15% se for operação comum ou 20% se for day trade). Além disso, futuramente não se esqueça de declarar as operações em renda variável na tua declaração anual do imposto de renda (é obrigatório).

      Excluir
  54. Comprei opções e nao pretendo vende-las preciso calcular o IR mesmo que eu não tenha nenhuma venda ? O que preciso pra calcular o IR?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Se você apenas comprou, por enquanto não há IR a a ser pago. Você apenas vai saber o resultado da operação quando reverter (zerar) ela, ou na data de vencimento (caso ocorra exercício ou a opção vire pó). Sugiro a utilização de uma planilha para cálculo do IR mensal das operações na bolsa.

      Calculadora IR Bolsa de Valores

      Excluir
  55. Olá!
    Obrigada por sanar as dúvidas por aqui.
    Tenho uma dúvida sobre ações (operações comuns à vista).
    Entendi que os prejuízos só se compensam com o lucro tributável (venda superior a 20k), não considerando o lucro isento (venda inferior a 20k), certo?
    No caso, o prejuízo deve ser declarado em "prejuízos a compensar" de operações comuns na aba de renda variável no mês correspondente a operação, certo?
    Porém, caso não ocorra venda superior a 20k, devo continuar acumulando o prejuízo nesta aba?
    Se durante o ano não ocorrer venda superior a 20k, como manter o saldo? (considerando inclusive isso por alguns anos)?

    Tenho outra dúvida sobre créditos em trânsito, se poder me responder.
    No informe veio créditos em trânsito referente a JCP, cuja data com foi 28/12/2018 (só que recebimento foi em 15/01/2019), dizendo que deveria informar em bens e direitos de 2018.
    Não observei o informe por pensar que ele deveria ser declarado apenas no ano em que fosse recebido (2019). Então, quando analisei o informe vi esse detalhe.
    Realmente, deve ser declarado em bens e direitos créditos em trânsito em função da data com ter ido no ano anterior (como leva a entender o informe)?
    Sendo assim:
    Ano base 2018: retifico e incluo em bens e direitos créditos em trânsito 0,00 em 2017 e X,00 em 2018
    Ano base 2019: coloco em bens direitos X,00 em 2018 e 0,00 em 2019, além de incluir o valor X,00 em sujeito a tributação exclusiva?
    Está correto?
    Grata!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Andressa,

      Meses que fecharam com prejuízo em operações comuns com ações declare SEMPRE na ficha de Renda Variável.

      Meses que fecharam com lucro isento em operações comuns com ações (devido a venda de ações ter sido menor que R$ 20 mil no total do mês), declare em Rendimentos Isentos e Não Tributáveis - código 20.

      Mês que fechou com lucro isento não abate de possível prejuízo que você tenha a compensar em operações comuns de meses anteriores. Por isso, esse lucro deve ser declarado apenas em Rendimentos Isentos e Não Tributáveis, e não na ficha de Renda Variável.

      Sobre os JSCP há um erro no que você mencionou. O correto é em 2018 incluir os créditos em trânsito na ficha de Bens e Direitos de 2018 e TAMBÉM os juros sobre capital próprio na ficha de “Rendimentos Sujeitos a Tributação Exclusiva/Definitiva”. Em 2019, ano que você de fato receber os dividendos, apenas deve zerar o valor incluído como créditos em trânsito em Bens e Direitos (colocando zero em 31/12/2019).

      Excluir
    2. Obrigado pelas explicações.
      No caso, o JCP irá no mesmo ano da data com (Ano base 2018) e não no ano em que efetivamente recebi (Ano base 2019).

      Essa semana, estava com uma dúvida sobre as units.
      Por ser um "conjunto de ações", o tratamento é o mesmo para "ações"? Vi relato de pessoas que foram cobradas pela Receita pelas vendas (inclusive abaixo de 20k), ou seja, como se não houvesse isenção em função da ausência de norma. Então, sabe informar se há ou não isenção para units? ou seja, devo tratar de igual modo (igual as ações)?

      Desde já agradeço pela ajuda.

      Excluir
    3. Olá Andressa, de fato a legislação não é clara se a isenção vale para as UNITS. Porém, um detalhe importante é que na página sobre as UNITS do site da B3 diz que uma das “vantagens do produto” é a isenção para vendas inferiores a R$ 20 mil. Portanto a própria B3 considera que a isenção é válida para as UNITS. Segue link: Certificado de Depósito de Ações (UNITS)

      Excluir
  56. Olá amigo, bom dia. Tudo bem?

    Eu estive estudando novamente sobre o assunto do volume das operações de daytrade interferirem ou não no limite de isenção de I.R. na venda de até 20K mensais em operações normais com ações.

    Cheguei a conclusão que lei não consegue ser absolutamente clara e objetiva, abrindo margem para interpretação e contradições, como toda a lei positivada.

    Verifiquei no histórico dos comentário aqui que você menciona um artigo do ano de 2012 no site da infomoney para suportar o seu argumento, o que na minha opinião não é suficiente para decretar uma solução definitiva sobre isto.

    Por isto gostaria de saber se por acaso você saberia informar se existe alguma Consulta Pública Oficial realizada junto à Receita Federal sobre este assunto?

    Sabe me dizer como na prática a receita conseguiria apurar, tratar e justificar estes casos?

    Desde já agradeço a atenção por sempre nos ajudar muito com todas as excelentes informações prestadas e divulgadas aqui.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá! Com certeza a lei não é clara, e não é a toa que esse assunto gera tanto debate. Acredito que possa haver divergência de opiniões sobre o caso até entre os próprios fiscais da Receita. Na minha opinião, quando a lei não é clara, se você quer evitar problemas, não use ela “a seu favor” (pelo menos até o dia que a Receita se posicionar oficialmente sobre o caso). E em outras palavras é isso que diz aquele artigo do InfoMoney. Como a Receita vai “apurar, tratar e justificar estes casos” vai depender do fiscal que analisar o caso...

      Excluir
  57. Certo! Então acho que realmente não existe até hoje uma Consulta Pública oficial sobre este assunto, por isso há tanto debate sobre isso como você muito bem disse, uma vez que uma lei não consegue ser totalmente objetiva.

    Concordo que pode e deve haver sim divergência de opinião e tratamento sobre este tema entre os próprios fiscais da receita mesmo.

    E foi muito boa a sua dica, pois a minha intenção é justamente fazer tudo certinho para não ter nenhum tipo de problema. É claro que só não vou querer pagar imposto a mais do que deveria e do que já pago em tantas outras coisas kkkk. Por isso eu estava tentando verificar se existiam informações mais precisas sobre este assunto.

    De qualquer forma muito obrigado pela ajuda novamente!

    ResponderExcluir
  58. Bom dia!

    Se por exemplo eu realizar uma venda coberta de call em julho com o vencimento para agosto, a apuracao do tributo é realizada no momento que eu fechar minha posicao (comprar uma call) ou no momento do vencimento ok?

    Ou seja, entao se eu comprar uma call em julho mesmo, a apuracao ficará para o mes de julho?

    Ou se eu comprar uma call ou deixar a opção virar pó, a apuracao fica para o mês de agosto?

    Entendo que a apuração é feita num mês e paga no proximo, mas na opção quero entender o mes de apuração rsrs

    Muito obrigado!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá! Exatamente, a apuração da venda coberta somente será feita no mês que você recomprar a opção ou no mês de vencimento da mesma (se deixar virar pó, ou for exercido).

      - Se recomprar a Call em julho, o resultado da operação entra já na apuração do mês de julho.

      - Se essa opção vence em agosto, e você carregar ela até o vencimento (deixar virar pó ou exercer), o resultado entrará no mês de apuração agosto.

      Verifica se esclareceu a duvida. Abs

      Excluir
  59. Boa tarde! Se eu fizer uma trava com opções e obtiver lucro, o IR devido será sobre o spread X quantidade - custos - IR retido. Correto?

    Exemplo: R$0,05 (spread) x 1000 opções - R$1,23 (custos) - R$1,23 (IR retido) * 0,15 (alíquota);

    No caso: lucro de R$47,54 e IR de R$7,13 devido a ser recolhido via DARF, até o último dia útil do mês subsequente ao vencimento das opções negociadas. Correto?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Túlio! Basicamente é isso, mas há um pequeno erro no teu cálculo. O correto é descontar o IR retido após aplicar a alíquota de 15%. Logo no teu exemplo ficaria um IR a pagar de R$ 6,08 (se for a única operação realizada no mês).

      E também o mês de pagamento depende de qual for o mês da finalização da operação. Por exemplo, se agora você fizer uma trava com opções que vencem em setembro/19, mas fizer a reversão dessa operação ainda em agosto/19, você vai computar essa operação na apuração de agosto/19 e pagará o IR até o último dia útil de setembro.

      Excluir
    2. Ótimo, obrigado! Parabéns pelo trabalho!

      Excluir
  60. Boa noite!

    Comecei a negociar na Bolsa há dois meses, comprei ações de 06 empresas diferentes, sendo que de uma empresa comprei ações duas vezes em dias diferentes e com preços diferentes. Como será para declarar essas ações no IR? deverei declarar separadamente(de cada empresa)? No caso de vender as ações e fechar 2019 sem ações na carteira como será a declaração? Um pouco cedo para pensar no IR do ano que vem, mas se deixar para ultima hora as duvidas aumenta... Obrigado!!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite Dionison. Sem dúvidas é bom já organizar tudo antecipadamente para não ter problema depois.

      Se virar o ano comprado nessas ações, você deverá declará-las na ficha Bens e Direitos - código 31. Será um lançamento para cada ativo e deve declarar pelo custo total de aquisição.

      Se vender as ações antes de acabar o ano, aí elas não entrarão na ficha de Bens e Direitos. Você apenas terá que preencher teus resultados mês a mês na ficha “Renda Variável - Operações Comuns/Day-Trade” (Obs: o resultado de cada um dos ativos ficará englobado no resultado do mês em que foram vendidos). Sugiro a leitura do artigo abaixo também:

      Como declarar ações no imposto de renda

      Abraços

      Excluir
  61. Digamos que no mês 1 eu esteja com prejuízo acumulado na venda de ações com operações superiores a R$ 20k por mês. No mês seguinte vendi menos de R$ 20k e tive lucro. Este lucro interfere no prejuízo acumulado a carregar para o mês 3 ou pelas operações serem isentas não interfere? Outra pergunta no mesmo sentido: no mês 1 tive lucros na venda de ações acima de 20k e no mês 1 tive prejuízo, mas vendi menos de R$ 20k. Esse prejuízo pode ser compensado no mês seguinte caso eu venda mais de R$ 20k e tenha lucro?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 1- Por estar isento o lucro não interfere no prejuízo acumulado a compensar.

      2- Não entendi muito bem a sua dúvida, pois em ambas as frases diz que é o mês 1. Você quis dizer que "no mês 2 teve prejuízo, mas vendeu menos de 20 mil"? Nesse caso como o mês fechou com prejuízo, não importa que tenha vendido menos de 20 mil. Esse prejuízo poderá ser compensado normalmente nos meses seguintes (mês 3 em diante). Lembrando também que a isenção vale apenas para as operações comuns com ações.

      Excluir
    2. Grato pela resposta. Continuando o raciocínio, só para confirmar: estou com prejuízo acumulado de R$ 1 mil no mês 1 devido a vendas mensais acima de R$ 20k (operações comuns), no mês 2 tenho prejuízo novamente de R$ 500, porém vendi menos de R$ 20k (operações comuns). Entendi que mesmo vendendo menos de R$ 20k, como tive prejuízo, ele se soma ao prejuízo anterior para efeitos de ressarcimento futuro, estou certo? Estou agora com R$ 1,5 mil de prejuízo acumulado, nesse caso.

      Excluir
    3. Dúvida sobre preço médio. Comprei 100 ações da PETR4 a R$ 20,00 no dia 1 e 100 a R$ 22,00 no dia 2. Estou com preço médio de R$ 21,00. No dia 3 no início do dia comprei 100 ações novamente a R$ 20,00. Meu preço médio passou para R$ 20,6667. No mesmo dia 3, no final do dia, vendi R$ 100 ações a R$ 23,00. Todas operações no módulo Swing Trade. Perguntas:

      1 - meu preço médio, no final da venda no dia 3, se mantém em R$ 20,6667 ou volta a R$ 21,00 por ter sido uma operação de Day Trade?
      2 - o ganho na operação de Day Trade considera valor de compra a R$ 20,6667 ou de R$ 21? Lucro por ação de R$ 2,3333 ou R$ 2,00 no Day Trade?

      Excluir
    4. Olá Marcos, sim sobre a primeira pergunta você ficaria com R$ 1,5 mil de prejuízo acumulado.
      E sobre a questão de preço médio:
      1 - Teu preço médio do swing trade continua R$ 21,00 e você tem um day trade de compra 20,00 e venda a 23,00.
      2 - Considera o valor de compra igual a R$ 20 (lucro por ação de R$ 3 no day trade).

      Excluir
    5. Obrigado pela resposta. Item 2, certo R$ 3 por ação e não R$ 2 como coloquei na pergunta. Day trade então não influencia no preço médio da ação da carteira, independente de ser feito no módulo Swing Trade.

      Excluir
  62. Boa tarde,
    Primeiramente, parabéns pelo conteúdo, muito esclarecedor.
    Tenho uma dúvida de uma operação que ocorreu esse mês.
    Comprei 100 opções call e foi para o dia do exercício, como o valor da ação estava acima do strike, fui exercido e acabei ficando com as 100 ações em carteira. Logo após o horário do exercício, o valor da ação caiu abaixo do preço de strike e acabei não vendendo. Pensei em duas situações:
    1) se vender agora as ações abaixo do preço do strike, devo considerar como prejuízo na minha DARF de opções?
    2) se esperar e vender as ações acima do preço de strike, devo considerar o lucro na minha DARF de opções ou como lucro de ações de swing trade?
    3) como devo considerar na DARF o valor que gastei com as opções que foram exercidas?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite Silvio! Como a venda da ação vai ocorrer posteriormente à data de exercício da opção, toda essa operação passará a ser considerada como "mercado à vista" (ou seja, mercado de ações). Você passa a ter em carteira a ação, sendo que o custo de aquisição dela é igual ao "preço de exercício do ativo acrescido do valor do prêmio pago pela opção". Em outras palavras, o valor pago pela opção deve ser considerado como um custo da operação. Abaixo estou colocando o trecho do Perguntão da Receita Federal.

      O que se considera ganho líquido no exercício de opções de compra?

      1 - Titular de opção de compra (comprador)


      O custo de aquisição é o preço de exercício do ativo acrescido do valor do prêmio pago. Considera-se preço de exercício o valor de compra do ativo acordado para liquidação da operação.
      O ganho líquido é a diferença positiva entre o valor de venda à vista do ativo, na data do exercício, e o seu custo de aquisição.

      Ocorrendo a venda posteriormente à data do exercício, o ganho líquido será a diferença positiva entre o valor recebido pela venda do ativo e o custo médio de aquisição, apurado conforme estabelecido para o mercado à vista.


      E complementando com pequeno trecho da IN 1585

      § 1º Não ocorrendo venda à vista do ativo na data do exercício da opção, o ativo terá como custo de aquisição o preço de exercício da opção, acrescido ou deduzido do valor do prêmio, nas hipóteses previstas, respectivamente, nas alíneas “a” e “d” do inciso II.

      Para finalizar, apenas um alerta: prejuízo em ações pode ser utilizado para deduzir lucro de opções e vice-versa, desde que seja a mesma espécie de operação (comum ou day-trade).

      Excluir
  63. Boa Tarde,
    Parabéns pelo excelente conteudo.
    Uma dúvida: Opero na clear, e a partir de um certo periodo do mês, percebi que começou a aparecer "IRRF s operações" , entrei em contato e me falaram que isso começa quando eu atingo um limite de 20 mil em vendas no mês.
    Fiz o levantamento e percebi que estavam sendo considerado tanto as vendas em ações (7mil) como as de opções (13 mil). isso está correto??? não deveria ser considerado apenas as vendas em ações?

    esse fato elimina a minha isenção do lucro que tive vendendo esses 7 mil em ações?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá! Sim isso está correto, o IRRF é cobrado em todas as vendas de operações normais (ações, opções, fundos imobiliários e etc). Mas isso não elimina a sua isenção. Você vendeu apenas R$ 7 mil em ações no mês, portanto possui a isenção.

      Excluir
  64. Grato pela resposta.
    O que me chamou atenção é que sempre aparecia o IRRF nas notas de corretagem, mas não como uma linha do extrato de minha conta na corretora.
    fiquei na duvida se está havendo cobrança duplicada.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite Marcelo, nas operações comuns enquanto você não atinge R$ 1 de IRRF no acumulado mensal, a corretora apenas discrimina os IRRFs nas notas de corretagem. Posteriormente, caso o acumulado ultrapasse R$ 1, ela desconta esses valores de você. Se não ultrapassar, ela não debita os valores da tua conta. Não há cobrança duplicada, eles apenas descontaram no teu extrato porque ultrapassou R$ 1 no mês. Abs

      Excluir
  65. Olá,

    Adquiri sua planilha meses atrás e achei ela ótima, esta me ajudando muito a manter tudo organizado. Contudo, como sou “marinheiro de primeira viagem” estou com algumas dúvidas sobre a declaração de ações, poderia tira-las por favor ? apesar de esta cedo ainda para a declaração, mas são tantas que me deixa nervoso.

    Se em Abril de 2018 eu vendi todas as ações da empresa X que possuia, vendendo acima de 20k ( operação comum ) com lucro de R$ 200,00. Ações estas que tinha comprado em janeiro de 2018 , zerando, assim, minha posição nela em abril ( comprei e vendi no mesmo ano ). Dessa forma, emiti a DARF em abril e paguei o imposto ( 30 reais = 0,15 * 200 ). Já em Junho de 2018 vendi ações da empresa Y no prejuízo de R$ 100,00.

    1-Se eu abri posição e zerei no mesmo ano, devo mesmo assim declarar na aba de “BENS e direitos” colocando ZERO na parte no exercício financeiro de 2018 e de 2019 ? Se não, onde e como devo declarar essa operação de abrir e fechar posição no mesmo ano ?.

    2-Devo declarar na ABA de renda variável do mês de abril o lucro decorrente da venda acima de 20k, correto ? no caso, os 200 reais ? se sim, na mesma aba tem a opção de juntar a DARF comprovando o pagamento do Imposto de 30 reais referente a operação ( qual seria aba pra juntar a DARF ou indicar o pagamento da DARF para eu não ser cobrado novamente na hora de declarar ) ?

    3- Como faço pra na declaração do IR de 2019 pra ter essa restituição ( de 15 reais ) decorrente dos R$ 100,00 de prejuízo que tive em relação a venda de ações Y em meses seguintes, já que paguei na DARF do mês de abril 30 reais ? pois paguei a DARF a mais, pois não sabia que no futuro iria ter prejuízo ( em junho ) . Então, paguei em abril 30 reais na DARF, mas por conta do prejuízo eu teria direito de restituição de 15 reais. Como faço esse pedido ? Sei que devo declarar o prejuízo na aba de operações comum, renda variável, do respectivo mês que houve a venda com prejuízo, mas só basta isso e o sistema reconhecerá a diferença e me restituirá ? ou tenho que fazer algo mais ?

    4- Vamos supor que eu só tenha vendido ações ( abaixo de 20k ) com lucro nos meses de abril, maio e junho de 2018. Nos demais meses do ano eu não vendi nada. Devo declarar individualmente em cada mês os lucros das vendas que foram feitas na aba de ficha de Rendimentos Isentos e Não Tributáveis, é isso ? Se for isso, e os demais meses deixo em branco ou preencho com ZERO, já que não houve venda ? ou devo declarar de uma única vez na aba de ficha de Rendimentos Isentos e Não Tributáveis a soma dos lucros obtidos nos três meses de uma só vez de forma anualizada, sem especificar o mês ? ( ou é a primeira opção e a RF que faz a soma e anualiza ? ) Ex: Em abril tive lucro de 200 reais, em maio de 300 reais e em junho de 500 reais. Devo declarar individualmente no mês de abril 200 reais, no mês de maio 300 reais e no mês de junho 500 reais, abrindo uma pra cada mês ou posso na ficha de Rendimentos Isentos e Não Tributáveis já colocar 1000 reais de uma vez ( que é o somatório de todos os lucros no ano ) sem especificar os meses ?

    5- Vamos supor que em todo o ano de 2018 eu só tenha vendido um Lote no prejuízo de 300 reais de uma ação X, esse prejuízo devo declarar na aba de operações comum, renda variável, do respectivo mês que houve a venda com prejuízo, certo ? Mas, se eu não tiver vendido nada com lucro em 2018, posso carregar esse prejuízo para o próximo exercício financeiro 2019/2020 ? Se sim, como faço pra carregar esse prejuízo na declaração do outro ano pra abater esse valor ? continuo a lançar o prejuízo da declaração anterior ?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá! Seguem as respostas abaixo:

      1 – Se comprou e vendeu no mesmo ano deve declarar apenas o resultado na ficha “Renda Variável – Operações Comuns/Day-Trade” (o resultado da operação ficará englobado no resultado do mês, conforme a espécie da operação). Não precisa declarar mais nada relativo à compra e venda da ação.

      2 – Declara o lucro e o valor da DARF paga referente ao mês de apuração 04/18 tudo na aba de abril. O valor da DARF entra no campo “Consolidação do mês – Imposto pago”.

      3 – Não existe restituição de IR de Renda Variável, mas sim compensação de prejuízos. E também você não pagou DARF a mais, pagou apenas o que deveria ter sido pago. Na ficha de Renda Variável – Operações Comuns/Day-Trade:

      Declare o lucro de abril/18 na aba de abril (+ valor do imposto pago)
      Declare o prejuízo de junho/18 na aba de junho.

      O prejuízo de junho/18 poderá utilizá-lo para compensação nos meses seguintes. Exemplo: se em julho/2018 lucrar 300,00, você vai deduzir os 100,00 e pagar IR sobre 200,00. Isso é o que a planilha de cálculo de IR faz na aba Resumo Imposto.

      Prejuízo nunca pode ser utilizado para abater um IR de um mês de apuração anterior, apenas dentro do próprio mês ou nos meses seguintes. Como “carregar” o prejuízo de um ano para o outro na declaração de imposto de renda anual explico no item 5.

      4 – Nesse caso soma os lucros mensais Isentos (abril, maio e junho/18) e faz um lançamento só na ficha de Rendimentos Isentos e Não Tributáveis – código 20. Não precisa especificar os meses e nem as operações.

      5 – Primeiro declare teus resultados mensais (conforme explicado no item 3). Se até fim do ano de 2018 você não utilizou esse prejuízo para abater, você vai ver que na ficha do mês de dezembro ele ficará na seção “Resultados”, nos campos de “Prejuízo a compensar”. Estes números deverão ser colocados na tua declaração referente ao ano de 2019 na ficha de janeiro, nos campos “Resultado negativo até o mês anterior”.

      Excluir
  66. Ao digitar a pergunta que fiz acima surgiu outras dúvidas. Por favor, se possível poderia esclarece-las tb ?

    6- Vamos supor que eu tenha vendido ações ( abaixo de 20k ) com lucro nos meses de abril ( lucro de 200 reais ), maio ( lucro de 300 reais ) e junho ( lucro de 500 reais ) de 2018 e nos meses de julho ( prejuízo de 100 reais ) e agosto ( prejuízo de 100 reais ) eu tenho vendido com Prejuizo
    Ao declarar na aba de ficha de Rendimentos Isentos e Não Tributáveis eu devo abater no lucro total o valor do prejuízo tido ? No caso o lucro total no ano isento seria de 1000 reais e o prejuízo de 200 reais. Ao declarar na aba de ficha de Rendimentos Isentos e Não Tributáveis eu devo declarar os 1000 reais, sem abater qualquer prejuízo, já que é isente de tributos abaixo de 20k por mês e fazer referencia ao prejuízo apenas na aba de renda variável ( não fazer qualquer referencia ou abatimento de prejuízo na aba de rendimentos isentos ) ? ou eu devo abater o prejuízo já na aba de Rendimentos Isentos e Não Tributáveis, declarando 800 reais ( 1000 – 200 ) e mais uma vez lançar o prejuízo na aba de renda variável ?

    7- Retornando ao caso da DARF. Se tive prejuízo em Janeiro de 100 reais e em abril do mesmo ano tive lucro de 200 reais ao vender acima de 20k no mês. Deve pagar a DARF de 15 reais, já abatendo o prejuízo dos 100 reais que tive meses antes ( 200 -100 *0,15 = 15 reais ) ou devo pagar a DARF cheia ( de 30 reais ) e esse abatimento de 15 deve deixar para fazer na declaração do IR ?
    Se for a primeira hipótese, então eu declararia na aba de renda variável apenas o lucro de 100 reais, detalhando que foi 200-100=100, juntaria a DARF de 15 reais e faria referencia do prejuízo de de 100 reais e tb cadastraria na aba de prejuízo os 100 reais ?
    Se for a segunda hipótese, eu declararia o lucro de 200 reais na aba de renda variável, juntaria a DARF de 30 reais e em outra aba, de prejuízo a serem compensados eu declaro o prejuízo de 100 reais, ai o próprio programa da receita abate os 15 reais a mais de imposto e me devolvo, seria isso ?
    Estou confuso quanto ao procedimento da DARF, de como declarar no IR.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 6 – Lança o lucro de R$ 1 mil (abril, maio e junho/18) na ficha de Rendimentos Isentos e Não Tributáveis com código 20. E os prejuízos de julho e agosto lança na ficha Renda Variável – Operações Comuns/Day-Trade, nas abas dos meses em questão. Esses prejuízos ficarão acumulados para compensação.

      7 – Deve já realizar o abatimento e pagar R$ 15,00 de IR. Importante: na tua planilha de cálculo de IR deve fazer mês a mês o transporte do prejuízo a compensar na aba Resumo Imposto – para que a própria planilha faça o abatimento ao calcular o IR do mês (igual consta na página 8 do PDF de Instruções da mesma). Em relação à declaração do IRPF:

      Declara o prejuízo de R$ 100,00 na aba de janeiro.
      Declara o lucro de R$ 200,00 na aba de abril.

      O próprio programa do IRPF já vai considerar o prejuízo acumulado e te mostrar que o IR que deveria ter sido pago referente ao mês de apuração abril/18 era R$ 15,00. Aí é só colocar o valor da DARF que foi paga em “Imposto pago” da aba de abril.

      Excluir
  67. Muito obrigado pela presteza e paciência em tirar todas essas minhas dúvidas, Não sei como agradecer por esse ótimo trabalho que estais realizando aqui. Esta sendo o único local em que eu estou conseguindo tirar dúvidas de ordem pratica. Muito obrigado mesmo....e a planilha esta sendo muito útil. Todas as compras e vendas que faço no ano eu anoto lá....Mas se possível poderia continuar a tirar algumas dúvidas minha no preenchimento da declaração:

    Então, se eu compro e vendo ações no mesmo ano, em valor abaixo de 20k/mês e obtendo lucro:

    1- Opção 1: eu não preciso declarar essa compra e venda na aba de “bens e direito”, eu devo apenas mencionar o lucro na aba de ficha de Rendimentos Isentos e Não Tributáveis do mês em que houve a venda, é isso ? se sim, eu devo detalhar nesta aba como foi a compra e venda ( Ex: comprei em janeiro 100 ações de itausa a 10 reais e vendi em maio 100 ações de itausa a 11 reais. ...e no lucro eu preencho com 100 reais, seria assim ? ) OU OPÇÂO 2 : eu só declararia o Lucro de 100 reais em Rendimentos Isentos e Não Tributáveis, sem detalhar a operação, e a operação detalhada eu declararia na aba de “bens e direitos”, colocando ZERO na parte dod exercíciod financeiros da ano posterior e anterior, já que vendi e comprei no mesmo ano ?
    Seria a opção 1 ou 2 ? Pergunto isso pois, eu tenho que especificar em algum canto qual foi essa compra e venda que deu origem a esse lucro, não é ?, pois como a RF vai saber de onde veio esse lucro.

    2- Se a compra e venda se deu abaixo de 20k/mês e em anos distintos:
    Ex.: comprei 100 ações itausa em 2017 a 10 reais e vendi 100 açoes de itausa em 2018 a 11 reais obtendo o lucro de 100 reais.

    Na declaração de 2019 eu declararia na aba de “bens e direitos” ZERO reais no ano de 2018, já que vendi tudo e 1000 reais no ano de 2017, que é o valor da compra em 2017. Já na aba de Rendimentos Isentos e Não Tributáveis eu só declaro o lucro de 100 reais, Seria assim ? A Receita Federal entende que o lucro declarado na aba de Rendimentos Isentos e Não Tributáveis veio dessa operação Ou eu teria que especificar em algum campo a operação que gerou o lucro pra receita saber de onde veio o lucro ?

    3- Continuando a dúvida anterior. Se a venda for parcial. Comprei 100 ações em 2017 a 10 reais e vendi 50 ações em 2018 a 11 reais. Lucrando 50 reais.
    Na declaração de 2019 eu declararia na aba de “bens e direitos” 500 reais no ano de 2018, já que vendi só metade e no ano de 2017 ficarei 1000 reais , que é o valor da compra em 2017. Já na aba de Rendimentos Isentos e Não Tributáveis eu só declaro o lucro de 50 reais, Seria assim ?

    4- Com relação a DARF, que dizer então que ao declarar o lucro da venda acima de 20k, na mesma aba terá o campo “Consolidação do mês – Imposto pago” onde eu colocarei o valor que paguei na DARF, ai o próprio programa do IR identificará se o valor foi a mais ou a menos automaticamente, levando em consideração as minhas declarações de prejuízo na aba de renda variável onde tem de prejuízo a compensar, seria isso ? ai se paguei a menos o próprio sistema já dirá o quanto faltou e eu imprimo uma darf pra complementar o valor devido, seria isso ?

    Desculpe mais uma vezes tantas perguntas, mas esse aplicativo de preenchimento da declaração da RF é complicado.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. 1 – Vendeu e comprou no mesmo ano não tem que detalhar a operação em Bens e Direitos. Coloca os R$ 100 de lucro em Rendimentos Isentos e Não Tributáveis. E não, tu não tem que detalhar a operação em canto nenhum se comprou e encerrou no mesmo ano – simplesmente informa o resultado.

      2 – Compra e venda em anos distintos: você virou o ano de 2017 comprado na ITSA. Nesse caso sim, na declaração referente ao ano de 2017 a ação seria colocada em Bens e Direitos (declarando pelo custo total de aquisição, somando inclusive corretagens e etc. Então iria colocar R$ 1000 + taxas no campo 31/12/2017). E na declaração referente à 2018 (ano que ocorreu a zeragem da posição), iria deixar zero no campo de 31/12/2018. Além disso, coloca o lucro de 100 reais em Rendimentos Isentos e Não Tributáveis. Não precisa fazer mais nada.

      3 – Isso aí.

      4 – O programa da DIRPF vai calculando o que deveria ter sido pago conforme os dados mês a mês que você lançou na ficha de Renda Variável. No campo IMPOSTO DEVIDO da aba de cada mês você conseguirá ver quanto era para ser pago. Depois é só comparar com o que você lançou em Imposto pago. Se por algum motivo aconteceu de você pagar valor a menor em algum mês, terá que gerar uma outra DARF, do mesmo período de apuração, com o valor que faltou. Aí pode gerar no Sicalc e pagar (pois terá que calcular multa e juros em cima do valor que faltou pagar).

      Excluir
  68. Boa noite, fica repetitivo, mas parabens pelos conteudos e esclarecimentos.

    Peço que me auxilie em duvidas que me surgiram:

    1 - Vendi ações no dia 29/agosto, porém a liquidação só ocorreu em 02/setembro. devo considerar a data da liquidação para controle de quantidade vendida e lucros/prejuizo?

    2 - Dentro das vendas de agosto havia SQIA ( que tem isenção de imposto de renda ), posso então abater o volume de SQIA do somatorio que determina se vendi abaixo dos 20K no mês?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Boa noite Marcelo,

      1 – Essa questão já houve divergência até entre a Receita e o site da Bovespa. Uma falava para utilizar data de liquidação e outra recomendava a data de execução. E não faz muito tempo, a Receita colocou no “Perguntão do IRPF” o seguinte:

      “... no caso de alienação de ações na Bolsa de Valores, tendo em vista que a liquidação financeira não ocorre na mesma data da operação, o fato gerador do imposto ocorrerá na data do pregão, sendo a tributação diferida para o momento da liquidação financeira.”

      A data de execução deve ser utilizada pra verificar a isenção. Então, mesmo que a ação tenha liquidação no mês seguinte, o volume da venda dela contabiliza no mês da data de execução para apuração do limite de isenção.

      “Desse modo, para efeitos de apuração do limite de isenção, considera-se a data do fato gerador (data do pregão).”

      Mas, em relação ao prazo para recolhimento do IR dessa operação, este será até o último dia útil do mês subsequente ao da liquidação.

      “A data da liquidação servirá como parâmetro para a contagem do prazo para recolhimento do imposto devido, ou seja, o imposto devido deverá ser recolhido até o último dia útil do mês subsequente ao da liquidação financeira.”

      Particularmente sempre utilizo como base a data de pregão para tudo (para a apuração, verificação de limite de isenção e também para contagem do prazo de recolhimento).

      2 - Sim deve desconsiderar o volume da venda da Sinqia (não computar no limite de 20k). Vale lembrar também que em relação às ações isentas pela lei 13.043/14, você não pode utilizar prejuízos gerados por elas para compensação.

      Excluir

Postar um comentário