O que são os swaps cambiais do Banco Central?

swap cambial
São inúmeras as vezes que a mídia noticia que o Banco Central irá ofertar contratos de swaps para tentar conter a alta do dólar. Como sabemos, a alta ou baixa do dólar influi diretamente na economia do país (aumento de inflação, diminuição de competitividade, entre outros), por isso o BC precisa agir quando ocorrem movimentos bruscos para cima ou para baixo na cotação da moeda.

Os swaps são contratos derivativos normalmente utilizados para Hedge (proteção), mas também podem ser utilizados simplesmente para especulação. A operação se resume a uma troca de risco e retorno, ou seja, a troca da variação de um indexador pela variação de outro indexador aplicado sobre um determinado valor em reais. A diferença de variação dos dois indexadores até a data de vencimento pré-estabelecida, será o lucro de uma parte e o prejuízo da outra parte envolvida no contrato. Basicamente, se a empresa A acredita que o dólar terá variação superior à taxa Selic, ela faz um contrato de swap com a empresa B que acredita que o dólar terá desempenho inferior à taxa Selic. Portanto, se até a data de vencimento do contrato a variação do dólar for superior à Selic, a empresa A ganha. E se a variação do dólar for menor que a Selic, a empresa B é quem ganha.

No caso do swap cambial feito pelo Banco Central, a preocupação maior não é se a operação terminará em lucro ou prejuízo. O interesse dele é em tentar (não necessariamente conseguirá ter sucesso na operação) estabilizar a cotação do dólar ou trazê-la para o patamar que considera ideal para a economia do país.

O BC usa o swap tradicional para conter a alta da cotação do dólar. Mas como? Ele evita que o outro investidor envolvido na operação faça compra de dólares no mercado à vista. Perceba que ao mesmo tempo equivale ao BC vender dólares, pois irá perder dinheiro caso a valorização da moeda continue. No swap tradicional, o BC está com posição comprada no contrato, ou seja, está ativo em Selic e passivo em dólar. Portanto entrega variação do dólar mais uma taxa prefixada, em troca da variação da Selic.

O BC utiliza o swap reverso para conter a baixa da cotação do dólar. Ele entrega a variação da Selic (relativa ao período do contrato) em troca da variação do dólar mais uma taxa prefixada. Isso evita que o outro investidor venda dólar no mercado à vista. No swap reverso, o BC está com posição vendida no contrato, ou seja, está ativo em Dólar e passivo em Selic.

Enfim, este é um pequeno resumo para entendimento dessa operação que diversas vezes aparece em sites de notícias do mercado financeiro.

Comentários