Os índices de inflação para acompanhar no mercado

índices de inflação
Acompanhar a variação das taxas de índices de inflação é de extrema importância para decidir quais são os investimentos mais atraentes para ter em sua carteira em cada cenário. Nesse artigo você vai aprender um pouco sobre os mais relevantes índices de inflação, e como impactam sua vida e seus investimentos.

Todos esses indicadores medem as oscilações de preços de produtos, bens ou serviços. Ou seja, mostram de forma bem direta se a população está ganhando ou perdendo poder de compra.

O cálculo desses índices de inflação se baseia em uma cesta com diversos itens presentes na vida do brasileiro. Utilizando uma média ponderada, obtém-se o cálculo de quanto os preços variaram durante um determinado período de tempo.

Cada indicador inflacionário no Brasil possui regras próprias de cálculo. Abaixo você poderá ver um breve resumo sobre os mais importantes e observados pelo mercado financeiro.

✔ IPC - Índice de Preços ao Consumidor

O IPC é um índice de inflação extremamente relevante no Brasil. A medição dele é feita pelo FGV e leva em conta as variações de preços de uma cesta de bens e serviços focados em famílias que ganham entre 1 e 33 salários mínimos por mês. As cidades onde o acompanhamento é feito são: São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte, Salvador, Recife, Porto Alegre e Brasília. E monitora diariamente as variações de preços de itens de alimentação, habitação, vestuário, saúde e cuidados pessoais, educação, leitura e recreação, transportes, despesas diversas e comunicação.

✔ IPCA - Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo

O IPCA é o indicador oficial da inflação, utilizado como base para decisões importantes - como ajustes na Taxa Selic - do Banco Central sobre o rumo da política monetária. Ele é composto pelos seguintes itens, transporte, alimentação e bebida, moradia, saúde e cuidados pessoais, despesas pessoais, educação, comunicação, vestuário e artigos de residência, sendo medido em todas as regiões do Brasil com base no custo de vida das famílias com renda mensal entre 1 e 40 salários mínimos.

✔ IPA - Índice de Preços ao Produtor Amplo

Diferentemente do IPC e do IPCA, o IPA é um índice de abrangência nacional, que se caracteriza por ter como foco o produtor, e não o consumidor final. Ele monitora as variações de preços de uma cesta com produtos industriais e do agronegócio no setor atacadista. O aumento desses custos tende a ser repassados para os consumidores finais. O índice é divulgado mensalmente e calculado pelo FGV.

✔ INCC - Índice Nacional de Custo de Construção

Calculado pela FGV, o INCC é um índice que monitora as mudanças de preço em insumos e demais produtos no setor da construção. Ele é usado para reajuste de contratos no setor de habitação, como financiamentos. O acompanhamento de preços para cálculo do índice ocorre em São Paulo, Belo Horizonte, Salvador, Recife, Porto Alegre, Brasília e no Rio de Janeiro.

✔ IGP - Índice Geral de Preços

Também calculado pelo FGV, o IGP não monitora uma cesta de produtos. Ele é apenas uma média do IPA (60%), IPC (30%) e Índice Nacional de Custo de Construção INCC (10%). Entra também nesse monitoramento, o IGP-M (Índice Geral de Preços de Mercado), que costuma ser bastante utilizado para reajustes de contratos de aluguel, seguros de saúde e reajustes de tarifas públicas.

✔ INPC - Índice Nacional de Preços ao Consumidor

Calculado pelo IBGE, o INPC é um índice de inflação com foco nas famílias com renda mensal de 1 até 5 salários mínimos. Muito utilizado como base para reajustes salariais, ele monitora uma cesta parecida com a do IPCA, mas considera produtos para os consumidores de menor poder financeiro.

Esses índices precisam ser acompanhados de perto, pois impactam diretamente suas estratégias no mercado financeiro. Eles mexem com a performance de seus investimentos e do seu poder de compra.

Para seus investimentos valerem a pena, e manterem seu poder de compra, no mínimo é necessário obter um rendimento igual à inflação. Caso contrário, sua rentabilidade real estará sendo negativa. O ideal é obter uma rentabilidade superior à inflação, ou seja, obter uma rentabilidade real.

Estudar os indicadores de inflação comentados no artigo acima, portanto, permite que você vá em busca de melhores alternativas para diversificar seu portfólio e se proteger, por meio de investimentos, da perda de poder aquisitivo gerada pela inflação.

Comentários