Postagens

Sites gratuitos para análise fundamentalista de ações

Imagem
Abaixo três excelentes sites gratuitos para quem deseja obter dados fundamentalistas das empresas listadas na bolsa de valores, a fim de encontrar boas opções de ações para investir.

Fundamentus:O site fornece os principais indicadores fundamentalistas e financeiros das empresas, permitindo uma análise completa por parte do investidor. É possível fazer uma busca avançada de empresas, filtrando a partir de indicadores como PL, P/VP, PSR, Dividend Yield, etc. A ferramenta de busca avançada é bastante útil para comparar empresas que atuam no mesmo setor de atuação. O site disponibiliza todo o histórico de Balanços Patrimoniais e Demonstrativo de Resultados (inclusive pode ser baixado em arquivo Excel).
Além dessas funcionalidades, o fundamentus também possui gráficos simples, mas bastante úteis, para uma rápida visualização do histórico de cotações das ações desde 1998, e gráficos que mostram o histórico de indicadores fundamentalistas e principais contas do Balanço Patrimonial e DRE das e…

Como utilizar o Índice de Força Relativa (IFR)

Imagem
O Índice de Força Relativa (IFR ou RSI), criado por Welles Wilder, é um indicador oscilador muito utilizado pelos analistas técnicos. Ele monitora a velocidade e a mudança dos movimentos dos preços, para assim sinalizar momentos em que o preço de um ativo está sobrecomprado ou sobrevendido. Além disso, possibilita observar o enfraquecimento de tendências e rompimentos de suporte e resistência antes de se tornarem aparentes.

A fórmula do indicador

IFR = 100 – (100 / (1 + FR))
FR = Média de ganhos / Média de Perdas

Para obter a média de ganhos leve em consideração todos os períodos que o ativo fechou com variação positiva nos últimos N períodos. Depois some as variações (em R$) e divida por N. O cálculo para obter a média de perdas é praticamente idêntico, porém deve levar em consideração todos os períodos que o ativo fechou com variação negativa nos últimos N períodos.

OBS: Geralmente o IFR já é configurado por padrão em 14 períodos, porém muitos investidores utilizam também o IFR de 9 ou…

Entenda a Teoria das Ondas de Elliot

Imagem
Criada por Ralph Nelson Elliot, a Teoria das Ondas de Elliot foi feita através da observação do mercado e consequentemente da observação do comportamento das massas (por isso funciona melhor em ativos de grande liquidez). Resumidamente, essa teoria diz que as ações se movem em ciclos (para cima ou para baixo e de tamanhos diferentes).

Cada ciclo é chamado de 12345ABC e é composto por 8 ondas, sendo 5 de impulso – a favor da tendência principal e 3 de correção – contra a tendência. Essas 8 ondas começam a ser contadas a partir da confirmação de um pivot de baixa ou de alta, que por sua vez é formado geralmente no rompimento de uma LTA, LTB ou de congestionamentos e marca o início de uma nova tendência.

Padrão geométrico (fractal) das ondas:



Um ciclo completo de oito ondas (como visto na imagem acima) possui outros ciclos dentro de si, e o mesmo pode fazer parte de um ciclo maior. Considerando isso, também “há outras ondas dentro de uma onda”. Identificando os ciclos, o investidor conseg…

Termos usados na Bolsa de Valores

Imagem
Abaixo segue relação de alguns termos utilizados no mercado de ações.

Grupamento (Inplit) e Desdobramento (Split): Operação na qual a empresa diminui/aumenta o número de ações sem mexer no seu capital social.

Spread: Diferença entre o preço de compra e o de venda no livro de ofertas de uma ação.

Stop: Tipo de ordem que protege o capital do investidor.

Dividendos (DIV) e Juros sobre Capital Próprio (JSCP): Uma empresa deve dividir os lucros com seus acionistas. Essa divisão pode ser feita através dos dividendos ou de Juros sobre Capital Próprio.

Alavancagem: Investimento feito com capital extra, de terceiro, para aumentar as proporções de lucro. Como consequência, aumenta o risco da operação.

Subscrição: É um aumento de capital, com emissão de novas ações, feito por uma empresa para obter recursos.

After Market (AM): Horário extra de funcionamento da bolsa.

Ação Ordinária (ON): que concede o direito de voto nas assembleias da empresa.

Ação Preferencial (PN): que oferece preferência no recebime…

Operações de Long & Short (Pairs Trading)

Imagem
Como já vimos no artigo “O que são Operações de Arbitragem (Mercado Financeiro)“, Estratégias de Long & Short (ou Pairs Trading) na verdade são um tipo de operação de arbitragem, que compreendem a manutenção de dois ativos ao mesmo tempo, um comprado e outro vendido.

Essa operação pode ser feita, por exemplo, com ações de um mesmo setor (Intra-setorial), ações de setores diferentes (intersetorial), entre dois grupos de ações sem relação (carteira contra carteira), entre ações ON e PN de uma mesma empresa, holding e subsidiária, e etc.

São estratégias muito utilizadas por fundos de investimentos, e ao contrário da “arbitragem pura”, possui riscos. Para ter sucesso, é necessário escolher corretamente as posições – selecionando apenas ações que possuem forte correlação no passado - e ter um bom timing para iniciar a operação. Porém é necessário lembrar que o investidor está sempre sujeito a imprevistos, como notícias, o que pode ocasionar prejuízo até nas duas pontas da operação.

B…

Entenda o que é análise vertical e horizontal

Imagem
Frequentemente os analistas fundamentalistas falam em análise vertical e análise horizontal. São dois métodos que se complementam e servem como ponto de partida na análise dos demonstrativos financeiros (balanço patrimonial, demonstrativo de resultados de exercício, demonstrativo de fluxo de caixa) das empresas. Esses métodos foram nomeados de vertical e horizontal devido à forma que os dados dos demonstrativos financeiros são visualizados.

Na análise vertical é analisada a performance da empresa durante o exercício. Observa-se o percentual que cada “item”, que pode ser uma conta, o resultado de um setor da empresa, entre outros, representou no conjunto do demonstrativo que está sendo analisado. Dessa maneira, tem-se uma melhor ideia de como os itens afetaram o caixa da empresa (análise do DFC), os ativos ou passivos (análise do balanço patrimonial) ou o resultado líquido (análise do DRE). Uma comparação com empresas concorrentes é extremamente válida para encontrar desproporções nas…

Conheça o gráfico atemporal Renko

Imagem
Completamente diferente dos gráficos tradicionais, como o de Candlesticks, no qual cada barra representa a variação do ativo em um determinado período de tempo, o gráfico Renko, criado no Japão, é um gráfico atemporal. Isso significa que as barras representam unicamente a variação do preço do ativo. Esse estilo de representação gráfica é pouco utilizada pelos traders no mercado de ações, mas se for bem aplicado pode trazer resultados interessantes.

Como é um gráfico Renko?

O gráfico Renko é composto por “caixas” (alguns chamam de “tijolos”). A formação de uma caixa no gráfico depende de o ativo bater uma determinada variação em relação à máxima ou mínima da caixa anterior. Isso significa que, independente do tempo, nenhuma caixa será criada se o ativo ficar andando de lado. Exatamente por isso o gráfico Renko é conhecido por ser um “gráfico limpo” e com poucos ruídos.

É possível configurar o tamanho das caixas, ou seja, quanto o ativo precisa subir ou cair para que ocorra a formação de…